domingo, 28 de fevereiro de 2021

Oração a um herói: São Fernando rei de Castela

São Fernando III el Santo, catedral de Sevilha, Espanha
São Fernando III el Santo, catedral de Sevilha, Espanha
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs






ORAÇÃO DA NOVENA A SÃO FERNANDO III

Muito fiel, muito piedoso e muito católico Rei San Fernando, ilustre Macabeu da Lei da Graça, vencedor muito forte do Império Maometano:

Conquistador invicto dos Reinos Católicos, Coluna da Fé, perseguidor de seus inimigos e exterminador dos hereges:

Glória, honra e felicidade de nossa Espanha, protetor de seus Monarcas, defensor de seus domínios e conservador de sua religião e de sua fé.

Por causa da mais alta perfeição com a qual vós exercestes esta virtude, e por causa do espírito e fervor com que vós a defendeste de acordo com a vontade de Deus, e para seu grande serviço, imploro que lhe peçais que nos conceda a preservação da Santa Fé neste Reino;

Que eu imite em mim Seus divinos exemplos, que Sua Majestade me conceda o que lhe peço por sua intercessão nesta Novena, se for de acordo com seu divino prazer;

E que depois de uma morte santa eu desfrute de Deus para sempre em eterno êxtase. Amém.

Três Pais nossos e Ave-Marias em honra da Santíssima Trindade, pedindo pela intercessão de São Fernando remédio às necessidades da Santa Igreja no nosso Reino Católico, deste Povo, e pelas necessidades de cada um.

HINO
Fernando, posto que vossa espada
Tornou a Espanha feliz:
Fazei que nela e de raiz
O erro não tenha entrada.
Pai Nosso, etc.

Vós que derrotastes os inimigos
De Deus e de seu Reinado:
Fazei que mortos ao pecado
De Deus vivamos sempre amigos.
Pai Nosso, etc.

O Rei do Céu vos confiou
A defesa de sua honra:
Obtende para todos nós seu Amor
E imitar vosso zelo.
Pai Nosso, etc.

Toda a Espanha com fé piedosa
Vos implora na sua aflição:
Não negues vossa proteção
Àquela que em vós confia,
Pai Nosso, etc.

V. Rogai por nós, abençoado e santo Fernando,
R. Para que possamos receber as promessas de Jesus Cristo.
Amém

(Fonte: Orações da Novena ao Rei San Fernando, composta pelo Padre Frei Diego José de Cádiz, impresso em Sevilha em 1796 (Reino de Granada)

São Fernando rei de Castela (1199-1252) deixou alguns conselhos a seu filho, Afonso X no “El libro de los doce sábios o Tratado de la nobleza y lealtad”. Neles recomenda:

“Foge dos néscios e de todos aqueles que não são discretos, porque pior do que o traidor é o néscio, e mais demorado emendar-se”.

O arcebispo de São Paulo Dom Duarte Leopoldo e Silva, que o Dr. Plinio Corrêa de Oliveira – que fez os comentários a seguir – conheceu muito, dizia que preferia ter um inimigo inteligente, do que um aliado néscio.

Com um inimigo inteligente, a gente prevê o que ele vai fazer e se defende. Mas com um aliado cretino, que defesa há?...

“Quando vires crescer o dano não esperes o tempo da vingança.

“Não esperes fazer amigo aquele que se faz teu inimigo sem causa e por desordenada vontade, nem esperes emenda daquele que errar muitas vezes”.
Cada um desses conselhos é o oposto daquela “atitude sentimental que se manifesta sobretudo na piedade adocicada e na posição doutrinal relativista, que procura justificar-se com uma falsa ‘caridade’ para com o próximo”. (“O Cruzado do século XX – Plinio Corrêa de Oliveira”, Roberto de Mattei, Ed. Civilização, Porto, 1998, tópico 7).

Segundo essa “heresia branca”, dever-se-ia dizer: “Meu filho, foge do traidor, tem pena do néscio, porque o traidor é pior do que o néscio”.

Conselho de São Fernando: “Meu filho, foge do néscio e de todos aqueles que são tontos, cretinos, porque o néscio é pior do que o traidor e mais difícil de se emendar”.

Aqui há uma observação curiosa: emendar o bobo é das coisas mais difíceis do mundo!

É a razão pela qual as conversões são tão raras nas pessoas dominadas por uma bobeira institucionalizada, intencional, otimista e que não vê as coisas.

Uma pessoa com tal mentalidade é mais difícil de converter do que um comunista.

Aqui se vê por que não acreditarmos que a bobeira em matéria católica é inocente, porque todo mundo recebe a graça de Deus para não ser bobo.

E há uma forma de pecado de espírito nessa bobeira, que é das mais difícil de emendar. Um ditado afirma “bobo é cavalo do diabo”...

“Quando vires crescer o dano, não esperes o tempo de vingança”.

São Fernando III el Santo, catedral de Sevilha, Espanha
São Fernando III el Santo, catedral de Sevilha, Espanha
Muitos acham o contrário: quando o mal é pequeno, não intervenha, porque ainda pode ter remédio. Só intervenha quando o mal for grande.

O certo está na atitude contrária: quando o mal é pequeno, intervenha correndo e extinga logo, porque senão fica grande.

Todo mal tem a tendência de se tornar enorme, por isso, deve ser esmagado enquanto pequeno.

Disso São Fernando que guerreou e venceu constantemente contra os invasores islâmicos tinha uma ideia muito clara e reconquistou virtualmente toda Espanha.

Os inimigos da Igreja assim entendem e agem assim sem perder um minuto! E o filho de São Fernando, o rei Afonso el Sabio, adotou uma política “boba” muito envelopada em música, poesia e cultura.

Contra os bons os maus não são bobos e não cometem erros. Os erros bobos só são cometidos pelos ditos “centristas” diante da esquerda; mas diante dos católicos íntegros, agem com uma técnica bem diferente...

Isto prova a culpabilidade abominável dessa bobeira que comentava antes.

“Não esperes fazer amigo daquele que se faz teu inimigo sem causa e por vontade desordenada”.

A expressão é muito fina.

São Fernando III, el Santo, no alcácer de Córdoba
São Fernando III, el Santo, no alcácer de Córdoba
Quando alguém se faz meu inimigo por uma vontade ordenada, por uma causa justa, eu devo procurar fazer dele meu amigo, porque devo me penitenciar, devo me arrepender do que fiz, devo reparar o mal feito e devo agradecer se ele tiver a condescendência de se fazer meu amigo.

Essa amizade eu devo esperar.

Mas quando alguém, sem razão nenhuma, torna-se meu inimigo, procurar fazer dele meu amigo com concessões, com recuos, com provas de confiança, é uma verdadeira tolice, é a advertência do santo e vitorioso rei.

Em meados da década de 40, o Dr. Plinio conversava com uma pessoa sobre a infiltração de toda espécie de gente ruim na “Ação Católica”.

O Dr. Plinio julgou que essa personalidade ficaria aborrecida com tal afirmação, mas ela respondeu: “É bem verdade, Dr. Plinio”.

Perguntou-lhe Dr. Plinio se não receava as consequências disso. Respondeu-lhe: “É assim que a gente faz: atrai todos os ruins para o mesmo balainho e depois converte...”

O resultado dessa estratégia branda foi a penetração da “fumaça de Satanás” na Igreja brasileira e o desenvolvimento do incêndio comuno-missionário no País todo. O tal de balaio a converter com moleza cresceu a ponto de estar quase comendo o Brasil...

Mas disse isso com pena de mim, como se eu fosse um grossão que não entendia a finura de sua atitude.

O Dr. Plinio não discutiu com o estado de espírito desse gênero “heresia branca” cheio de otimismos fadados ao desastre mas voltado a perseguir os que pregam “más notícias”.

Deve-se exatamente combater esse estado de espírito com o exemplo dos Santos como o heroico rei São Fernando de Castela, exemplo perfeito e acabado de como deve ser o bom católico diante do mal. 


(Fonte: “El libro de los doce sábios o Tratado de la nobleza y lealtad”, encarregado por Fernando III el Santo por volta de 1237, com epílogo de inícios do reinado de Afonso X el Sabio. Versão íntegra a partir da edição crítica de John K. Walsh, Real Academia Espanhola da Língua, Madri, 1975, páginas 71-118. Comentário de Plinio Corrêa de Oliveira, Plinio Correa de Oliveira.info, )

Um comentário:

  1. É um prazer sempre Dufaur receber
    receber Orações e Milagres Medievais em minha rede social.
    Gratidão.

    ResponderExcluir

Obrigado pelo comentário! Escreva sempre. Este blog se reserva o direito de moderação dos comentários de acordo com sua idoneidade e teor. Este blog não faz seus necessariamente os comentários e opiniões dos comentaristas. Não serão publicados comentários que contenham linguagem vulgar ou desrespeitosa.