domingo, 26 de abril de 2020

A traslação miraculosa de Nossa Senhora do Bom Conselho
da Albânia até Genazzano, Itália


Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs







Numa pequena localidade da Itália a graça faz germinar, em substituição a um velho culto pagão, uma terna devoção a Nossa Senhora sob o título do Bom Conselho.

A imagem desceu miraculosamente na cidade de Genazzano no fim da tarde do dia 25 de abril de 1467.

Sua festa se comemora no dia 26 de abril.

Naqueles anos, um rei valoroso após épica gesta caiu sob a espada dos invasores muçulmanos. Não houve quem o substituísse à altura e o reino se encontrava em triste declínio.

Declínio político e militar, por certo, mas também e principalmente declínio religioso.

Santuário de Nossa Senhora do Bom Conselho, Genazzano
Santuário de Nossa Senhora do Bom Conselho, Genazzano
Os católicos albaneses oferecem ao Islã a resistência ineficaz de um povo tornado tíbio. Com isto, a vitória das hostes de Mafoma resulta inevitável.

Dois homens fiéis à Virgem se sentem perplexos, e vão ao santuário nacional da Albânia, em Scútari.

Eles implorararam à imagem dEla que ali se venera um bom conselho: o que fazer?

Permanecer na nação dominada pelos turcos, a fim de ali servir à Santíssima Virgem, ou deixar a pátria rumo a plagas em que possam viver sem grave perigo para a fé?

O bom conselho implorado lhes foi concedido sob a forma mais estupenda e inesperada.

A imagem deixa Scútari, e em pós dela partem os nossos dois albaneses.

A confirmar a autenticidade e o acerto deste conselho, a sagrada Efígie baixa maravilhosamente no local de Genazzano.

Daí para diante, a história da Madona transladada de Scútari não foi senão uma sucessão de triunfos morais.

Quer em Genazzano, quer em outras cidades onde reproduções do quadro albanês foram expostas à veneração dos fiéis, se multiplicaram incontáveis as graças de toda ordem.

E entre elas o atendimento frequente das pessoas que, desejosas de um bom conselho, acorrem à Virgem, implorando a graça de uma luz para sua perplexidade.

Nossa Senhora do Bom Conselho, Colégio São Luís, SPEntre essas imagens, importa lembrar a que se encontra na cidade de São Paulo.

E início na  Capela do Colégio São Luís, dos RR. PP. Jesuítas, e depois na menor capela moderna do mesmo colégio.

A causa foi o modo pelo qual chegou a nosso País é verdadeiramente digno de especial atenção. (foto ao lado)




(Fonte: Plinio Corrêa de Oliveira, "Catolicismo", Abril-Maio de 1968)





GLÓRIA CRUZADAS CASTELOS CATEDRAIS HEROIS CONTOS CIDADE SIMBOLOS
Voltar a 'Glória da Idade MédiaAS CRUZADASCASTELOS MEDIEVAISCATEDRAIS MEDIEVAISHERÓIS MEDIEVAISCONTOS E LENDAS DA ERA MEDIEVALA CIDADE MEDIEVALJOIAS E SIMBOLOS MEDIEVAIS

domingo, 19 de abril de 2020

Povo clamou ao Cristo Milagroso e Ele extinguiu a epidemia. Hoje quem clama com fé?

Santíssimo Crucifixo Milagroso, San Marcello,Via del Corso, Roma.
Santíssimo Crucifixo Milagroso, San Marcello,Via del Corso, Roma.
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs





Por volta do ano 1300, um belíssimo Crucificado, entalhado em madeira, pendia do altar-mor na igreja de São Marcelo, na Via del Corso, na Cidade dos Papas.

Essa rua corta o centro e tem um desenho excepcionalmente retilíneo para as pitorescas ruas romanas, cheias de agradáveis surpresas em sua heterogeneidade.

A Via del Corso era então conhecida como Via Lata, ou rua longa, e teria sido percorrida por São Pedro quando decidiu abandonar Roma até se encontrar com Jesus Cristo bem mais longe, na igreja atual do Quo Vadis: Aonde vais, Pedro?

São Pedro arrependeu-se e voltou a fazer apostolado na cidade pecadora que o crucificaria no alto do Vaticano, onde se encontra hoje a basílica famosa construída sobre seu túmulo.

Na atual Via del Corso há muitas igrejas e capelas, algumas delas conservando o nome antigo, como Santa Maria in Via Lata.

domingo, 5 de abril de 2020

Santo Antônio e o dissoluto futuro mártir

Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs







Sempre que encontrava na rua um certo homem de vida dissoluta, Santo Antonio de Pádua tirava o chapéu, fazia uma genuflexão e o saudava respeitosamente.

Aborrecido com a cena que assim se repetia, o crápula um dia tirou da bainha a espada e gritou para o Santo:

— Pare com essa palhaçada, ou então vou lhe mostrar a força desta arma!

Com profundo respeito, Santo Antonio respondeu:

— Glorioso mártir do Senhor, lembre-se de mim quando estiver sendo atormentado.

A resposta foi uma gargalhada, pois o comentário parecia provir de um louco.

Anos depois, em viagem comercial à Palestina, foi tocado pela graça divina, converteu-se e passou a pregar a fé cristã aos sarracenos, sendo então martirizado.