domingo, 8 de setembro de 2019

Como nasceu a oração do ‘Anjo do Senhor’ (Angelus)?

Anunciação, Konrad von Soest, c 1422
Anunciação, Konrad von Soest, c 1422
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs







O Angelus (também escrito Ângelus) foi inicialmente uma oração da noite ensinada por São Boaventura (1221 – 1274).

Ele chamava com uma campainha os religiosos e os habitantes do entorno a recitar “três Ave ao som do sino”, depois das Completas.

Foi o precursor do Angelus.

Porém, o Angelus, apropriadamente chamado, nasceu no século XI.

O Papa Urbano II em 1090, no início da primeira cruzada, ordenou que toda a cristandade, quando tocar três vezes o sino, de manhã e à tarde, recite três vezes a Saudação Angélica para apoiar a marcha dos Cruzados.

O papa estava convencido de que, se todos os cristãos rezassem pela mesma intenção, ela seria atendida.

A vontade do Papa suscitou o entusiasmo dos fiéis em toda parte! O Angelus nasceu! Bem antes do rosário e para um propósito específico: a Cruzada.

No século XIII, o papa Gregório IX reviveu o Angelus face aos ataques à autoridade da Igreja feitos pelo imperador Frederico II.

Como a cidade de Saintes se distinguia por seu zelo na recitação do Angelus, o papa João XXII a parabenizou com um Breve.

E numa Bula de 13 de outubro de 1318, universalizou a recitação do Angelus enriquecida de indulgências.

Os primeiros inícios foram com São Boaventura (1221 – 1274)
Os primeiros inícios foram com São Boaventura (1221 – 1274)
O papa ficou impressionado por um milagre espetacular atribuído ao Angelus e acontecido na cidade de Avignon.

Monsenhor Gaume conta:

“A justiça da cidade condenou dois criminosos a serem queimados vivos na véspera da Anunciação da Bem-Aventurada Virgem Maria.

“A pira já estava acesa. Ao se aproximar, um dos culpados continuou implorando à Santíssima Virgem, lembrando-A do Angelus que rezava três vezes ao dia.

“Os verdugos o jogaram no fogo.

“Mas, milagre! Ele sai como os hebreus da fornalha da Babilônia: são e salvo e suas roupas intactas! Enquanto que seu companheiro foi devorado pelas chamas num instante!

“Não foi suficiente. E, mais uma vez, o miraculado foi jogado na fogueira!

“Mas saiu de novo sem queimaduras e cheio de vida, como da primeira vez!

“Foi-lhe concedido o perdão e foi conduzido em triunfo à igreja da Santíssima Virgem, para dar graças à sua libertadora”.

E a recitação do Angelus do meio dia?

O rei Luís XI em 1472, ordenou que todo o seu reino estendesse o Angelus ao meio-dia.

Esta prática do Angelus do meio-dia foi indulgenciada em 1475 pelo papa Sisto IV, que favoreceu particularmente o culto litúrgico da Imaculada Conceição.

No entanto, em 1455, o Papa Calixto III já havia prescrito o sino do meio-dia.

Luís XI só aplicou à França as decisões sábias do Papa assaz mais precisas: o terrível Maomé II acabara de tomar Constantinopla (1453).

E enquanto seu cavalo comia aveia no altar-mor da catedral Santa Sofia, jurou que faria o mesmo no altar-mor de São Pedro!

Rezar pelo triunfo das Cruzadas foi um grande motivo dos Papas
Rezar o Angelus pelo triunfo das Cruzadas foi um grande motivo dos Papas
Seu formidável exército de mais de 300.000 homens, seus canhões de 12 metros e sua lendária crueldade eram de um conquistador arrogante.

Foi contra esta praga, que Calixto III teve a inspiração de criar o triplo Angelus. Mas, na aparência ninguém se mexeu! Nem mesmo a França de Luís XI.

Porém, de repente, em 1481, Maomé II foi atingido por um mal desconhecido, aos 49 anos de idade.

Alessandro VI reviveu o Angelus contra a heresia luterana. E o Papa São Pio V definiu o Angelus completo, como é recitado desde então, na edição oficial do Pequeno Ofício da Santíssima Virgem.

João XXII aprovou a prática do Angelus da noite, observada em Saintes.

O Papa Leão XII concedeu indulgência plenária à recitação contínua por um mês.

Assim, a pequena oração do Angelus deve ser dita de manhã às 7 da manhã, depois ao meio-dia e finalmente à noite às 19h na França e 18h alhures.

Quase todos os sinos da igreja tocam a estas horas para nos sinalizar o Angelus!

Infelizmente, esta poderosa oração está ficando esquecida.

O Angelus é a oração contra todos os perigos que ameaçam a Igreja, os cristãos e a Cristandade.

O que é que aconteceria se os católicos passassem a reza-lo todos os dias e em massa, três vezes diariamente?

Motivações não faltam, aliás são mais imperiosas do que nunca.

Sozinho, em família, no carro ou caminhando! O resto Nossa Senhora fará.



GLÓRIA CRUZADAS CASTELOS CATEDRAIS HEROIS CONTOS CIDADE SIMBOLOS
Voltar a 'Glória da Idade MédiaAS CRUZADASCASTELOS MEDIEVAISCATEDRAIS MEDIEVAISHERÓIS MEDIEVAISCONTOS E LENDAS DA ERA MEDIEVALA CIDADE MEDIEVALJOIAS E SIMBOLOS MEDIEVAIS