domingo, 16 de dezembro de 2018

Simbolismo do bói e do asno no Presépio de Natal

Afresco na catedral de Spoleto, Fra Filippo Lippi (1406 - 1469)
Afresco na catedral de Spoleto, Fra Filippo Lippi (1406 - 1469)
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs






Uma das figuras que mais impressionam simpaticamente as almas que contemplam o Menino Jesus no presépio de Belém é a presença muito próxima de um asno e de um boi.

Os Evangelhos não fazem nenhuma referência a essa presença. Mas as razões de grande beleza moral trazem um ensino espiritual profundo.

Elas vêm do fundo do Antigo Testamento.

E nada mais e nada menos que de uma predição de Isaías (765 a.C. e 681 a.C. aprox.) o profeta que mais falou da futura vinda de Nosso Senhor Jesus Cristo e o mais referido nos Evangelhos.

Ele diz no capítulo I:

3. O boi conhece o seu possuidor, e o asno, o estábulo do seu dono; mas Israel não conhece nada, e meu povo não tem entendimento.

4. Ai da nação pecadora, do povo carregado de crimes, da raça de malfeitores, dos filhos desnaturados! Abandonaram o Senhor, desprezaram o Santo de Israel, e lhe voltaram as costas. (Isaías 1, 3)

O boi e o asno ajoelhados, presépio da escola de Fra Angelico, Metropolitam Museum of Art
O boi e o asno ajoelhados, presépio da escola de Fra Angelico, Metropolitam Museum of Art
Sim, o asno, ou mula, e o boi simbolizam a indiferença de Israel em relação a seu Messias.

Frieza que chegou ao ponto que o Menino Jesus teve que nascer numa gruta para animais porque ele não era verdadeiramente aguardado pelo seu povo amado!

São Justino mártir, um dos primeiros apologistas da Igreja, no século II (c. 100/114 – 162/168), mandou incluir o asno e o boi na representação do presépio.

Ele quis tornar visível que a profecia de Isaías tinha se realizado.

Na hora do magno acontecimento de Natal, Israel não reconheceu seu Salvador e nem estava preparado para faze-lo posta sua grande decadência moral, religiosa e também política e militar.

Por isso a representação da mula e do boi não está nos Evangelhos, mas sim no livro de Isaías.

A Tradição da Igreja desde São Justino no século II vem os representando no sentido.

Essa Tradição é inconteste, inclusive na nossa época em que predomina o vício de contestar e achincalhar tudo.

O então porta-voz da Conferência Episcopal Espanhola, Mons. Juan Antonio Martínez Camino, bispo auxiliar de Madrid e ex-secretário de dita Conferência Episcopal, respondeu aos jornalistas quando interrogado sobre a não inclusão nos Evangelhos da presença de animal algum no presépio.

Vitral na igreja de São Domingos em Londres
Vitral na igreja de São Domingos em Londres
Mons. Martínez Camino estudou muito o tema e explicou num pregão natalino para “belenistas” [montadores ou fabricantes de presépios] de Oviedo.

“Há dois mil anos que quem quer que seja lendo os Evangelhos percebe que ali não aparece a mula e o boi. O Papa [Bento XVI] explica que apareceram na arte, em virtude do capítulo primeiro de Isaías: “O boi conhece o seu possuidor, e o asno, o estábulo do seu dono; mas Israel não conhece nada, e meu povo não tem entendimento”.

São Justino interpreta que Israel conheceu o Redentor embora com menos fé que esses animais no presépio.

Na pintura românica catalana do século XII eles são apresentados com os olhos grandes como pratos, olhando para o Menino Jesus, e também no presépio que criou São Francisco de Assis na Idade Média.

Os dois animais representam também a humanidade toda que diante da aparição humilde de Deus no estábulo, chega ao conhecimento enlevado e adorador de seu Salvador.

Na pobreza do nascimento divino, a humanidade fiel recebe a Luz de Cristo que a todos ensina a ver.

Por tudo isso, nenhuma representação do presépio pode prescindir do boi e do jumento.




GLÓRIA CRUZADAS CASTELOS CATEDRAIS HEROIS CONTOS CIDADE SIMBOLOS
Voltar a 'Glória da Idade MédiaAS CRUZADASCASTELOS MEDIEVAISCATEDRAIS MEDIEVAISHERÓIS MEDIEVAISCONTOS E LENDAS DA ERA MEDIEVALA CIDADE MEDIEVALJOIAS E SIMBOLOS MEDIEVAIS

terça-feira, 11 de dezembro de 2018

A premonição profética do Menino Jesus
segundo piedosa lenda de Natal


Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs






Uma piedosa lenda de Natal conta que o Menino Jesus sentado num troneto brincou tecendo uma coroa de espinhos.

E um espinho machucou seu dedo indicador da mão direita.

Nesse momento, com ciência profética, Ele previu os sofrimentos que haveria de aceitar para redimir o genro humano.

Em sua doçura de criança e na candura de sua inocência infinita Ele pressentiu as dores lancinantes de sua Paixão e Morte na Cruz.

Contemplou também a glória de sua Ressurreição. Anteviu a Redenção da humanidade, o triunfo universal da Igreja e da Cristandade.

escola de Murillo
Na iconografia tradicional, o Menino Jesus do Espinho aparece sentado numa poltrona com braços de madeira, estofada em veludo vermelho, meditando sobre os futuros tormentos da Paixão.

Numa outra tela do célebre pintor espanhol Francisco de Zurbarán (1598-1664)  o Menino Deus contempla o dedo sangrando.

Anônimo sevilhano
O rosto mais sereno parece velado pelo presságio do sofrimento vindouro trazido pela ferida.

Assim também e representado na tela da escola de Murillo.

É uma clara premonição da Paixão de Cristo, através de uma descrição suave e melancólica.

O contraste entre a inocência e a doçura da criança com o horror da tortura toca os mais nobres sentimentos dos fiéis.

E inspira uma meditação apropriada para o Advento, período litúrgico iniciado no último domingo de novembro, tempo penitencial que nos prepara para bem receber no Natal ao Menino Jesus.

A piedosa lenda tem, aliás, diversas narrações em volta do tema central. No vídeo, oferecemos uma delas adaptada para a imagem.



Vídeo: o Menino Jesus do Espinho






GLÓRIA CRUZADAS CASTELOS CATEDRAIS HEROIS CONTOS CIDADE SIMBOLOS
Voltar a 'Glória da Idade MédiaAS CRUZADASCASTELOS MEDIEVAISCATEDRAIS MEDIEVAISHERÓIS MEDIEVAISCONTOS E LENDAS DA ERA MEDIEVALA CIDADE MEDIEVALJOIAS E SIMBOLOS MEDIEVAIS

domingo, 18 de novembro de 2018

Desde o Céu as almas vêem o que acontece e interferem na nossa terra

Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs






Para os medievais, esta terra não tinha um teto fechado e um chão de chumbo que confina os homens.

Pelo contrário, para cima eles tinham certeza que o mundo das almas que se salvaram agia e participava nesta nossa vida.

E que era possível pela oração se comunicar com esse mundo imerso na glória divina. E vice-versa, acreditavam e experimentavam também que o inferno se agita e vive espalhando caos.

Não era uma mera crendice. Esses horizontes superiores e inferiores têm plena justificação na mais estrita teologia católica.

Eis como explica essa interação o famoso teólogo dominicano Reginald Garrigou Lagrange O.P.:



Os bem-aventurados veem também em Deus, in verbo, a humanidade santa que o Filho único assumiu para sempre a fim de nos salvar.

Contemplam nela a graça da união hipostática, a plenitude da graça, da glória e da caridade da alma santa de Jesus, o valor infinito dos seus atos, o valor infinito de cada Missa, a vitalidade sobrenatural de todo o corpo místico da Igreja triunfante, padecente e militante.

Contemplam admirados as prerrogativas de Cristo como Sacerdote eterno, como Juiz dos vivos e dos mortos, como Rei universal de todas as criaturas e como Pai dos pobres.

Pela própria visão beatifica, os santos contemplam em Deus a eminente dignidade da sua Mãe, a plenitude de graça, as virtudes, os dons, a mediadora universal e a co-redentora.

E como a bem-aventurança encerra um estado perfeito que pressupõe todos os bens legítimos, cada santo no Céu conhece em Deus os restantes dos bem-aventurados.

Sobretudo aqueles que conheceu anteriormente, e que amou sobrenaturalmente.

Do mesmo modo, cada santo vê através de ideias criadas — quer em Deus, quer fora d’Ele — aqueles que ainda vivem na Terra ou que estão no Purgatório, e que se encontram ligados a ele por determinada relação.

Por exemplo, o fundador de uma Ordem está a par de tudo o que diz respeito à família religiosa, e sabe das orações que os seus filhos lhe dirigem.

Um pai e uma mãe conhecem as necessidades espirituais dos filhos que ainda vivem na Terra.

Um amigo, chegado ao fim da viagem, encontra-se preparado para facilitar a viagem dos amigos que se dirigem a ele.

São Cipriano diz: "Todos aqueles de nós que chegaram à pátria esperam pelos outros, desejam-lhes ardentemente a mesma felicidade, e mostram-se cheios de solicitude para com eles".




(Fonte: Pe. Garrigou-Lagrange, "O Homem e a Eternidade" - Lisboa)



GLÓRIA CRUZADAS CASTELOS CATEDRAIS HEROIS CONTOS CIDADE SIMBOLOS
Voltar a 'Glória da Idade MédiaAS CRUZADASCASTELOS MEDIEVAISCATEDRAIS MEDIEVAISHERÓIS MEDIEVAISCONTOS E LENDAS DA ERA MEDIEVALA CIDADE MEDIEVALJOIAS E SIMBOLOS MEDIEVAIS

domingo, 4 de novembro de 2018

A devoção medieval a Nossa Senhora e o senso da honra

Nossa Senhora na abadia de St-Denis, Paris. Provém da arrasada abadia de Cluny.
Nossa Senhora na abadia de St-Denis, Paris. Provém da arrasada abadia de Cluny.
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs








A devoção à Virgem predispõe os medievais ainda um tanto rudes à delicadeza, à piedade, à proteção dos fracos, ao respeito das mulheres.

Traz em si uma virtude de civilização e de cortesia.

Os testemunhos disso são infinitos e encantadores.

Nossa Senhora de Kleinheubach
Imagine-se que no século XII um monge de Saint-Médard, Gautier de Coinci, relatou em trinta mil versos os milagres de Nossa Senhora.

E que milagres primorosos, dignos da Légende Dorée!

Lá, um monge ignorante que sabe recitar apenas duas palavras — AVE MARIA —, e que por sua ignorância é desprezado.

Ele morre, e de sua boca saem cinco rosas em honra às cinco letras do nome MARIA.

Uma freira, tendo abandonado o convento para se entregar ao pecado, volta após longos anos e encontra a Virgem — a quem ela nunca cessara, até nos piores pecados, de dirigir cada dia uma oração — ocupando durante todo esse tempo o seu lugar no ofício, de forma que ninguém percebeu sua ausência.

Um cavaleiro, em troca da fortuna, prometera ao demônio entregar-lhe sua mulher.

Enquanto ele a conduzia, ela entrou por um momento numa capela da Virgem, e é então a Virgem que saiu da capela em seu lugar e puniu o demônio.

Um outro cavaleiro, indo ao torneio, esqueceu-se do tempo e ficou rezando a Nossa Senhora numa Igreja.

Nossa Senhora, enquanto isso, combatia em seu lugar sob sua armadura, e ganhava para ele o prêmio do torneio.

Vale lembrar o famoso jogral de Nossa Senhora, de quem Ela enxugava o suor: o conto e o teatro se apoderaram desta história.

Essa devoção à Virgem contribuiu sem dúvida para a formação do senso de honra, purificando e enobrecendo a rudeza desses cavaleiros, desses soldados, dessa gente de guerra ou do campo. Foram levados a tratar a mulher com mais respeito.

A honra que daí decorre é uma espécie de galanteria da alma, que nos leva à defesa dos fracos, ao esquecimento de nossos interesses, à generosidade, ao respeito à palavra dada, quaisquer que sejam as consequências.





Fonte: Henry Bordeaux, "Vie, mort et survie de Saint Louis, roi de France", Librairie Plon, Paris, pp. 34-35.


GLÓRIA CRUZADAS CASTELOS CATEDRAIS HEROIS CONTOS CIDADE SIMBOLOS
Voltar a 'Glória da Idade MédiaAS CRUZADASCASTELOS MEDIEVAISCATEDRAIS MEDIEVAISHERÓIS MEDIEVAISCONTOS E LENDAS DA ERA MEDIEVALA CIDADE MEDIEVALJOIAS E SIMBOLOS MEDIEVAIS