domingo, 5 de novembro de 2017

Milagres de São Remígio na conversão da França

São Remi, basílica de Reims
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs






O nome Remígio vem de remi que significa apaziguando e gios, terra, no sentido de apaziguando os habitantes da terra.

Também pode se dizer que Remígio vem de remi, pasto, e gyon combate, quer dizer o pastor que combate.

Ele nutriu seu rebanho com a palavra de pregação, com o exemplo da conversão e com os sufrágios de sua oração.

Há três tipos de armas: as defensivas como o escudo, as ofensivas como a espada e as protetoras como a couraça ou o elmo.

Ele lutou, pois contra o diabo com o escudo da fé, a espada da palavra de Deus e a armadura da esperança.

Sua vida foi escrita por Hincmar, arcebispo de Reims.

A nascença de Remi, doutor ilustre e confessor glorioso do Senhor, foi predita por um ermitão, da maneira seguinte:

Os vândalos devastavam toda a França, e um santo recluso e cego elevava frequentes prezes ao Senhor pela paz da Igreja francesa, quando um anjo lhe apareceu e disse:

“Sabei que a mulher chamada Cilinie dará a luz um filho de nome Remi; ele libertará seu país da incursão dos ruins”.



Uma pomba trouxe o óleo para ungir o rei
Quando ele acordou, correu imediatamente até a casa de Cilinie e contou a visão que tinha tido. Como ela não acreditava em nada por causa de sua velhice, ele respondeu:

‒ “Quando tu amamentarás teu filho, tu ungirás com cuidado meus olhos com teu leite e na hora devolver-me-ás a visão”. Todas estas coisas aconteceram sucessivamente como preditas.

Remi abandonou o mundo e encerrou-se num claustro. Sua reputação crescia, e quando tinha 22 anos, ele foi aclamado pelo povo para ser arcebispo de Reims.

Ora bem, sua mansidão era tal que os pássaros iam até sua mesa para comer na sua mão as migalhas da refeição.

Tendo sido albergado durante certo tempo por uma matrona que possuía uma pequena quantidade de vinho, Remi entrou na adega fez o sinal da cruz sobre a barrica, começou a rezar, e logo o vinho aumentou tanto que se derramou e se espalhou por toda a adega.

Naqueles tempos, Clóvis era rei da França. Ele era pagão e sua esposa que era muito cristã não pôde convertê-lo.

Ampola com o óleo para sagrar os reis da França
Porém, quando ele viu vir contra ele um exército incontável de alamanos, ele fez promessa ao Senhor Deus que sua mulher adorava, que adotaria a fé de Jesus Cristo se Ele lhe concedia a vitória sobre os inimigos.

Ele obteve o que desejava e foi, pois, a encontrar São Remi e lhe pediu o batismo.

Tendo-se aproximado todos da pia batismal, verificou-se que faltavam os santos óleos.

E eis que uma pomba trouxe no seu bico uma ampola com o óleo da unção e com o qual o pontífice ungiu o rei.

Ora, esta ampola fica guardada na igreja de Reims e os reis da França são sagrados com ela até hoje.




Catedral de Reims, cidade onde São Remígio foi arcebispo






GLÓRIA CRUZADAS CASTELOS CATEDRAIS HEROIS CONTOS CIDADE SIMBOLOS
Voltar a 'Glória da Idade MédiaAS CRUZADASCASTELOS MEDIEVAISCATEDRAIS MEDIEVAISHERÓIS MEDIEVAISCONTOS E LENDAS DA ERA MEDIEVALA CIDADE MEDIEVALJOIAS E SIMBOLOS MEDIEVAIS

2 comentários:

  1. São Remígio, intercedei pelo episcopado brasileiro!

    ResponderExcluir
  2. Aqui no estado da Paraíba- Brasil há uma cidade por nome Remígio e pouco se sabe da origem do nome.
    Admirável descoberta. Obrigado

    ResponderExcluir

Obrigado pelo comentário! Escreva sempre. Este blog se reserva o direito de moderação dos comentários de acordo com sua idoneidade e teor. Este blog não faz seus necessariamente os comentários e opiniões dos comentaristas. Não serão publicados comentários que contenham linguagem vulgar ou desrespeitosa.