domingo, 3 de fevereiro de 2013

São Leofredo, o abade que deu uma surra em Satanás

São Leofredo surra diabo que fingia ser monge, santinho italiano
São Leofredo surra diabo que fingia ser monge, santinho italiano
São Leofredo (Leutfrido, Leufroi, ou Leufroy) foi um abade francês do século VIII canonizado pela Igreja Católica.

Leofredo estudou na abadia de Condat e em Chartres. Ensinou em Evreux, França. Viveu como ermitão em Cailly e Ruão.

Fundou a abadia da Santa Cruz de Saint-Qu'en por volta de 690. A abadia foi renomeada como Saint-Leufroy em honra do santo, seu fundador.

São Leofredo morreu no ano 738 e sua festa se comemora em 21 de junho. De São Leofredo, escreve Ernest Hello na sua “Fisionomia dos Santos”:

Nasceu na Neustria; de boa família, a qual deixou para ser sacerdote. Depois de muita luta, fundou a Abadia de Santa Cruz. Sofreu perseguições por seu espírito independente. Recebeu o dom dos milagres e da profecia. Era extremamente severo.

Como não tivesse cabelo, um dia, uma mulher, dele zombou. Disse-lhe o santo: Por que zombas de um defeito da natureza? Não tenha na tua cabeça mais cabelos do que eu tenho na testa; e o mesmo suceda a teus descendentes.


Trabalhavam, uns camponeses, no dia domingo. Levantou o santo os olhos ao Céu, dizendo:

– Senhor, fique essa terra eternamente estéril. Nunca nela se veja nem grão, nem trigo. E o campo encheu-se de cardos e espinhos.

São Leofredo tinha um zelo de misericórdia, mais de justiça mais ardente ainda.

As cóleras de São Leofredo acendiam as chamas da Caridade. As suas imprecações, o poder de sua caridade, o seu amor aos pobres, o seu ódio à injustiça, são as linhas paralelas de sua vida.

Um de seus religiosos morrera; e, com ele, encontraram três moedas. Estava violando o voto de pobreza. Leofredo mandou enterrá-lo em terra profana.

São Leofredo: detalhe de vitral de Saint-Ouen, Ruão, França
São Leofredo: detalhe de vitral de Saint-Ouen, Ruão, França
Depois, fez um retiro de 40 dias; rezando e chorando pela alma daquele que parecera rejeitar.

E após esses dias, o Senhor revelou-lhe que Sua misericórdia havia liberado a alma que Sua justiça condenara.

“Sua fúria contra o demônio era tremenda”.

Uma vez, estando em sua cela, um frade foi avisá-lo que o demônio estava aprontando na Igreja. Reconhecendo seu velho inimigo, o santo correu à capela e fez sinal da cruz sobre as portas e as janelas, como para vedar as saídas.

E, avançando sobre ele bateu-lhe com furor”.

O demônio quis fugir, mas as saídas estavam vedadas. O corpo que ele tomara para si, poderia ter se dissipado subitamente. Parece, porém, que ele não teve permissão para isso. Deus quis humilha-lo sob as pancadas de São Leofredo”.

Muito pouca gente reage e luta contra o demônio com furor.

Ora, o demônio merece ser repelido com ódio. E quando ele se aproxima de nós, nós devemos ter um assanhamento de ódio maior do que nós temos com qualquer pessoa viva nesta terra.

Porque é o inimigo declarado de Deus, o inimigo declarado de nossa alma, que quer toda espécie de mal; e quando nos sentimos tentados, nós devemos ter contra ele um ódio militante, como São Miguel Arcanjo.

Há coisa melhor do que esse exemplo de São Leofredo?

São Leofredo bateu no corpo, que era um boneco que o demônio usava.

Naturalmente, aquelas pancadas, atormentavam mesmo o demônio. Como o atormenta a gente falar mal dele. Que humilhação!

Pode-se imaginar São Leofredo, já velho, de barba branca, cabelo branco, mas muito conservado ainda; de olhos castanhos. Mas forte e dando pancada com uma serenidade e um ódio únicos. E aquele “boneco” gemendo e estertorando até acabar de ser visto fugindo pela torre.

Valeria a pena, numa época futura, edificar uma capela consagrada a São Leofredo e à Santa Teresinha que também pôs em fuga os demônios.

São Leofredo e Santa Teresinha do Menino Jesus formariam um conjunto perfeito.

São Leofredo:iluminura medieval, França
São Leofredo:iluminura medieval, França
Queremos medir a intensidade de nosso amor?

Examinemos a intensidade de nossa cólera ao contrário daquilo que amamos. É assim que nosso amor se conta.

O amor perfeito percebe tudo; a cólera perfeita percebe tudo. O amor perfeito só se alimenta da cólera, e a cólera perfeita também só se alimenta de amor.

O amor perfeito vive da contemplação daquele que ama e a cólera perfeita vive da contemplação daquilo que odeia. E o ato do amor é a perfeição do amor; o ato de cólera é a perfeição da cólera.

“Eu durmo, mas o meu coração vigia”. Isso se pode dizer do amor. É como uma mãe que está com o filho muito doente. Ela dorme, mas o coração dela não dorme.

Da mesma forma os católicos deveriam poder dizer de si: nós dormimos, mas o nosso ódio ao demônio não dorme. É que, até no sono, nós devemos ser uma tocha viva de ódio contra o mal e contra os inimigos de Nossa Senhora.

Aí, se pode dizer: “eu durmo, mas o meu coração vigia à espera do momento da ocasião de glorificar ainda mais Nossa Senhora”!

(Fonte: Professor Plinio Corrêa de Oliveira, 20-06- 1967. Sem revisão do autor).




GLÓRIA CRUZADAS CASTELOS CATEDRAIS HEROIS CONTOS CIDADE SIMBOLOS
Voltar a 'Glória da Idade MédiaAS CRUZADASCASTELOS MEDIEVAISCATEDRAIS MEDIEVAISHERÓIS MEDIEVAISCONTOS E LENDAS DA ERA MEDIEVALA CIDADE MEDIEVALJOIAS E SIMBOLOS MEDIEVAIS

2 comentários:

  1. Meu amor por Nossa Senhora é imenso. De berço católico, andei por muitos lugares e me arrependo muito. mas o que aprendi é que a única Igreja verdadeira é a Católica e devemos orar constantemente, a todo momento.

    ResponderExcluir
  2. Esta oração era proferida por Santa Justina todos os dias e a protejeu da astucia do demonio e da magia de São Cipriano quando ainda era bruxo e tentava despojar donzelas com ajuda do maligno por meio de bruxaria
    Vendo São Cipriano que sua magia era em vão contra donzela então perguntou ao demonio e o mesmo viu-se obrigado a dizer a verdade ao bruxo porque santa justina ouvindo a conversa dos dois orou a Deus para que o demonio não faltasse com a verdade .O maligno então disse a São Cipriano que todos os dias justina proferia uma oração que a protegia de todos os males pois o Deus de Justina é unico verdadeiro Deus senhor de todas as coisas visiveis e invisiveis e que nada poderia fazer para ajudar a despoja-la.
    A oração proferida por santa Justina é esta:
    EU ME ENTREGO A JESUS E A SUA SANTÍSSIMA CRUZ AO SANTÍSSIMO SACRAMENTO E AS TRÊS RELIQUIAS QUE TEM DENTRO AS TRÊS MISSAS DE NATAL QUE NÃO ME ACONTEÇA MAL ALGUM MARIA SANTÍSSIMA SEDE EM MINHA GUIA E COMPANIA O ANJO DA MINHA GUARDA ME LIVRE E ME GUARDE DE MEUS INIMIGOS E DAS ASTUCIAS DE SATANÁS .
    em seguida rezar UM PAI NOSSO UMA AVE MARIA E UM GLÓRIA AO PAI

    ResponderExcluir

Obrigado pelo comentário! Escreva sempre. Este blog se reserva o direito de moderação dos comentários de acordo com sua idoneidade e teor. Este blog não faz seus necessariamente os comentários e opiniões dos comentaristas. Não serão publicados comentários que contenham linguagem vulgar ou desrespeitosa.