quinta-feira, 17 de março de 2011

Akita 2: a Fátima do Oriente e seus anúncios ‒ Penitência e reparação

Continuação do post anterior

Segunda mensagem

Nossa Senhora comunicou a segunda mensagem em 3 de agosto de 1973, uma primeira sexta-feira do mês. Uma voz celestial que provinha da estátua advertiu:

“Minha filha, minha noviça, você ama o Senhor? Se você ama o Senhor, ouça o que eu tenho a lhe dizer.

“É muito importante... Você irá comunicar isso ao seu superior.



Muitos homens neste mundo afligem o Senhor. Eu desejo almas para consolá-lo, para aliviar a ira do Divino Pai. Eu desejo, com meu Filho, almas que reparem através de seu sofrimento e sua pobreza pelos pecadores e ingratos.

De modo a que o mundo possa conhecer Sua ira, o Pai Celeste está preparando para infligir um grande castigo em toda a humanidade. Com meu Filho eu tenho interferido tantas vezes para aplacar a ira do Pai.

“Eu tenho evitado a vinda de calamidades oferecendo a Ele os sofrimentos de meu Filho na Cruz, Seu Precioso Sangue, e almas amadas que O consolem formando uma corte de almas vítimas.

Oração, penitência e sacrifícios corajosos podem aliviar a ira do Pai. Eu desejo isto também para a sua comunidade... que ela ame a pobreza, que ela se santifique e reze em reparação pelas ingratidões e ultrajes de tantos homens.

“Recitem a oração das Servas da Eucaristia com consciência do seu significado; coloquem-na em prática; ofereçam em reparação (o que quer que Deus envie) pelos pecados. Deixe cada uma esforçar-se, de acordo com sua capacidade e posição, para oferecer a si mesma ao Senhor.

Mesmo em uma instituição secular a oração é necessária. Almas que desejam orar já estão a caminho de serem reunidas. Sem prender-se demasiadamente à forma, sejam fiéis e fervorosas na oração para consolar o Mestre.”

Veja vídeo
Documentário (inglês):
Nossa Senhora, Akita,
Irmã Inês, D. Ito e os fatos
Após um silêncio:

“O que você está pensando em seu coração é verdade? Você está realmente decidida a tornar-se a pedra rejeitada?

“Minha noviça, você que deseja pertencer sem reserva ao Senhor, a tornar-se a esposa digna do Esposo, faça seus votos sabendo que você deve ser pregada à Cruz com três cravos.

“Estes três cravos são a pobreza, a castidade, e a obediência. Dos três, a obediência é o fundamento. Em total abandono, deixe-se guiar pelo seu superior. Ele vai saber entendê-la e dirigi-la.”

Sangue e suor na imagem

Embora o ferimento na mão da Irmã Inês desapareceu em julho 27, a ferida na mão da estátua permaneceu até seu desaparecimento total em 29 de setembro. Naquela época, a estátua emitia uma luz brilhante. A ferida permaneceu por três meses.

Enquanto as feridas nas mãos da estátua sangravam, Dom João Ito informa que, contrariamente ao que dizem alguns relatórios “a estátua não suava nem chorava sangue a toda hora”.

No ofício da noite de 29 de setembro de 1973, toda a comunidade viu uma luz brilhante que vinha da estátua. Quase imediatamente, todo o corpo da estátua ficou coberto com uma umidade que parecia transpiração.

O Anjo da guarda da Irmã Inês lhe disse: “Maria está ainda mais triste do que quando ela derramou sangue. Enxugai o suor.” As irmãs usaram bolinhas de algodão para coletar a umidade.

Continua no próximo post



Desejaria receber gratuitamente 'Orações e milagres medievais' em meu e-mail



GLÓRIA CRUZADAS CASTELOS CATEDRAIS HEROIS CONTOS CIDADE SIMBOLOS
Voltar a 'Glória da Idade MédiaAS CRUZADASCASTELOS MEDIEVAISCATEDRAIS MEDIEVAISHERÓIS MEDIEVAISCONTOS E LENDAS DA ERA MEDIEVALA CIDADE MEDIEVALJOIAS E SIMBOLOS MEDIEVAIS

Um comentário:

  1. Muito me interessaria saber a opinião do autor do blog sobre os '3 dias de escuridão' profetizada por vários santos, inclusive o Padre Pio, e que corrobora perfeitamente com essa aparição.

    ResponderExcluir

Obrigado pelo comentário! Escreva sempre. Este blog se reserva o direito de moderação dos comentários de acordo com sua idoneidade e teor. Este blog não faz seus necessariamente os comentários e opiniões dos comentaristas. Não serão publicados comentários que contenham linguagem vulgar ou desrespeitosa.