domingo, 26 de dezembro de 2010

Santuário de São Nicolau em Bari atrai multidões pedindo o milagre

São Nicolau, catedral de Burgos (Espanha)
continuação do post anterior

UM HOMEM, por amor de um filho que andava a aprender a ler, celebrava a festa de São Nicolau solenemente todos os anos, Uma vez, o pai preparou um festim para o rapaz e convidou muitos clérigos. O diabo chegou à porta vestido de peregrino, pedindo esmola; imediatamente, o pai disse ao filho que desse uma esmola ao peregrino.

O rapaz apressou-se; mas, como não o encontrou, foi atrás dele. Quando chegou a uma encruzilhada, o diabo apanhou o rapaz e estrangulou-o. Quando o pai soube, chorou copiosamente, tomou o corpo, colocou-o na cama e, no auge da sua dor, começou a clamar dizendo:

‒ Filho muito querido, que te aconteceu? São Nicolau é esta a paga da veneração que durante tanto tempo vos dediquei?

Dizendo estas e outras palavras, logo o rapaz, como se acordasse de um sono, abriu os olhos e ressuscitou.

UM HOMEM nobre pediu a São Nicolau que rogasse ao Senhor para lhe dar um filho, prometendo-lhe que o levaria à sua igreja e ofereceria uma taça de ouro, O filho nasceu, chegou à idade de ir à igreja e o pai mandou fazer uma taça, mas, como ela lhe agradou muito, destinou-a ao seu uso pessoal e mandou fazer outra igual.

Depois, indo a navegar para a igreja de São Nicolau, o pai mandou ao filho que lhe levasse água na taça que mandara fazer primeiro; mas, quando o rapaz queria tomar água na taça, caiu ao mar e logo desapareceu. Apesar disso, o pai foi cumprir o seu voto, mesmo chorando amargamente.

São Nicolau, alegria das crianças.
Depois, chegou junto do altar de São Nicolau e quando estava a oferecer a segunda taça, ela caiu do altar como que projetada.

Ergueu-a e pô-la de novo sobre o altar; mas foi de novo projetada para longe do altar; ergueu-a novamente sobre o altar e, pela terceira vez, a pousou, mas também, pela terceira vez, foi projetada ainda para mais longe.

Estando todos admirados com tão grande acontecimento, eis que chegou o rapaz, são e salvo, levando a primeira taça nas mãos e contou diante de todos que, quando caiu ao mar, logo São Nicolau chegou e o conservara ileso. E, assim, o pai cheio de contentamento ofereceu ambas as taças a São Nicolau.

UM HOMEM RICO teve um filho por intercessão de São Nicolau e deu-lhe o nome de Adeodato. Depois, construiu em sua casa uma capela dedicada ao Santo de Deus e todos os anos celebrava solenemente a sua festa. Aquele lugar estava situado junto da terra dos agarenos.

Uma vez, Adeodato foi capturado por agarenos e levado como escravo do seu rei.

No ano seguinte, quando o pai celebrava devotamente a festa de São Nicolau e o rapaz servia o rei segurando uma taça, lembrou-se da sua captura, das dores dos pais e da alegria que naquele dia havia na sua casa, e começou a soluçar mais alto.

Quando o rei, com ameaças, lhe arrancou a causa dos soluços, disse-lhe:

‒ Faça o que fizer o teu Nicolau, aqui ficarás conosco para sempre.

Túmulo de São Nicolau em Bari, Itália.
De repente, um fortíssimo vento abanou a casa e o rapaz foi arrebatado com a taça e colocado à porta da igreja onde seus pais celebravam a solenidade, tendo-se gerado em todos uma grande alegria.

Com todo, lê-se noutro lugar que o referido jovem saiu a pé da Normandia, e foi até ao outro lado do mar, sendo capturado por um sultão perante o qual era muitas vezes espancado.

No dia de São Nicolau, tendo sido espancado e atirado para um calabouço, chorava; mas, entretanto adormecera, cansado das pancadas, sonhando com a alegria que naquele dia costumava sentir. Quando acordou, estava na capela do pai.

(Fonte: Bem-aventurado Jacques de Voragine, “Légende Dorée”)

FIM

Desejaria receber gratuitamente 'Orações e milagres medievais' em meu e-mail

domingo, 19 de dezembro de 2010

São Nicolau: bispo inflexível que obteve o impossível com seus milagres

São Nicolau ressuscita um jovem, Ambrogio Lorenzetti.
continuação do post anterior

COMO O SENHOR queria chamá-lo a Si, ele pediu-Lhe que lhe mandasse os seus anjos. Então, inclinou a cabeça, viu os anjos que se dirigiram a ele, e logo se deitou no chão, munindo-se com o crucifixo e, dizendo o Salmo “Em Ti, Senhor, esperei ...” até “nas tuas mãos”, e entregou o espírito, no ano do Senhor de 343, enquanto se ouvia a melodia dos coros celestes.

Foi sepultado num sepulcro de mármore; da cabeceira brotava uma fonte de azeite e dos pés uma fonte de água; e, até hoje, tem emanado dos seus membros um óleo sagrado que restituiu a saúde a muitos.

Sucedeu-lhe um homem bom que, por invejas, foi deposto da sua cátedra; desde que foi deposto, o azeite deixou de correr, voltando a fluir logo que para ela voltou a ser chamado.

Passado muito tempo, os turcos destruíram Mira, mas quarenta e dois soldados de Bari foram lá com quatro monges que lhes mostraram o túmulo de São Nicolau; abriram-no e levaram com toda a reverência os seus ossos, que nadavam em azeite, para a cidade de Bari, no ano do Senhor de 1087.

Um homem pediu emprestado a um judeu certa soma de dinheiro, Jurando sobre o altar de São Nicolau, por não poder ter fiador, que lha devolveria tão depressa pudesse. Como já tinha o dinheiro havia muito tempo, o judeu pediu-lho; mas apenas prometia que lhe havia de devolver. Citou-o por isso perante o juiz que obrigou o devedor a jurar.

Levara ele um bastão oco que enchera com o ouro miúdo, pois precisava dele para se apoiar. Querendo prestar o juramento entregou o bastão ao judeu para que o segurasse; e jurou que já lhe tinha dado mais do que lhe devia.

São Nicolau o bispo inflexível, modelo de Justiça e Caridade.
Feito o juramento, pediu o bastão e o judeu deu-lho, porque não sabia da astúcia, Mas, quando o que fizera a fraude regressava, ao passar numa encruzilhada adormeceu, perturbado; um carro que passava velozmente matou-o e partiu o bastão cheio de ouro e o ouro espalhou-se.

Quando o judeu ouviu isto, foi ao local para verificar o dolo e muitos lhe sugeriram que recolhesse o dinheiro; porém, ele recusou em absoluto, a não ser que o defunto voltasse à vida, por intercessão de São Nicolau, afirmando que receberia o batismo e se faria cristão, Como, de imediato, o defunto ressuscitou, o judeu foi batizado em nome de Cristo,

UM JUDEU que via o poder virtuoso de São Nicolau nos milagres que fazia, mandou esculpir uma imagem dele, colocou-a na sua casa, e quando saía para mais longe, confiava-lhe os seus haveres, dizendo-lhe, com ameaças, estas e outras palavras:

‒ Olha, Nicolau! Entrego-te todos os meus bens para que mos guardes; e, se o não fizeres castigar-te-ei com pancadas e chicotadas.

Ora, uma vez, enquanto estava ausente, os ladrões chegaram, roubaram tudo deixando apenas a imagem. Quando o judeu regressou, vendo-se espoliado, falou à imagem com estas ou semelhantes palavras:

‒ Senhor Nicolau, não te pus na minha casa para que guardasses os meus bens dos ladrões? Porque o não quiseste fazer e não os defendeste dos ladrões? Por isso, receberás tormentos horríveis e pagarás pelos ladrões; assim, compensar-te-ei com os teus tormentos e arrefecerei o meu furor com pancadas e chicotadas.

Agarrou na imagem, bateu-lhe e chicoteou-a terrivelmente. Foi uma coisa espantosa.

Entretanto, o Santo de Deus, como se estivesse realmente a apanhar as chicotadas, apareceu aos ladrões que estavam a dividir o roubo e disse-lhes estas ou semelhantes palavras:

São Nicolau amou os inocentes porque foi modelo de inocência
‒ Porque sou tão terrivelmente chicoteado em vez de vós? E por que razão, tão cruelmente espancado? Eis como o meu corpo está lívido e como fica vermelho do sangue derramado! Ponde-vos já a caminho e devolvei tudo o que tirastes, senão a ira de Deus onipotente enfurecer-se-á tanto contra vós que o vosso crime será conhecido por todos e cada um de vós será enforcado.

‒ Quem és tu que dizes tais coisas? ‒ perguntaram eles?

‒ Sou Nicolau, servo de Jesus Cristo, que aquele judeu, a quem roubastes esses bens, flagelou tão cruelmente.

Aterrados, os ladrões foram ter com o judeu, contaram-lhe o milagre e ouviram dele o que tinha feito à imagem, devolveram tudo quanto haviam roubado e voltaram ao caminho da retidão enquanto o judeu abraçava a fé do Salvador.

Desejaria receber gratuitamente 'Orações e milagres medievais' em meu e-mail

domingo, 12 de dezembro de 2010

São Nicolau terror dos governantes injustos

São Nicolau, campeão da Justiça
continuação do post anterior

NESSE MESMO TEMPO, houve um povo que se rebelou contra o Império Romano; o Imperador enviou contra ele três generais ‒ Nepociano, Urso e Apoio ‒ que entraram num porto do Adriático por causa do vento contrário; São Nicolau convidou-os a comer consigo, querendo que poupassem a sua gente às rapinas que faziam.

Entretanto, o Santo ausentou-se e o cônsul, corrompido por dinheiro, mandou decapitar três militares inocentes. Quando o santo homem tal ouviu, pediu àqueles generais que se dirigissem até lá em passo rápido.

Chegando ao lugar onde iriam degolá-los, encontrou-os de joelhos e de rosto coberto no momento em que o carrasco já vibrava a espada sobre as suas cabeças.

Nicolau, inflamado pelo zelo, arremessou-se audaciosamente contra o comandante, afastou o gládio para longe da sua mão, desamarrou os inocentes e levou-os incólumes consigo; dirigiu-se sem demora ao pretório do cônsul e abriu, à força, as portas fechadas.

O cônsul acorreu imediatamente e saudou-o; mas o Santo, recusando o cumprimento, disse-lhe:

‒ Inimigo de Deus, prevaricador da lei, culpado de tamanho crime, como te atreves a olhar-me no rosto?

Depois censurou-o com muita dureza, mas a pedido dos três chefes, aceitou-o benignamente como penitente. Uma vez recebida a benção, os enviados imperiais puseram-se a caminho, submeteram os amotinados ao Império sem derramamento de sangue e, quando chegaram, foram magnificamente recebidos pelo Imperador.

Alguns, porém, invejosos da sua boa sorte, com pedidos e presentes sugeriram ao prefeito do Imperador que, perante ele, os acusasse do crime de lesa-majestade. Tendo sugerido isso ao Imperador, ele, cheio de um grande furor, ordenou que os encarcerassem e, sem qualquer interrogatório, naquela mesma noite os mandou matar.

Quando souberam isso por um guarda, rasgaram as suas vestes e começaram a gemer amargamente. Então, um deles, Nepociano, lembrando-se do modo como São Nicolau tinha livrado os três inocentes, exortou os outros a que suplicassem a sua ajuda. Tendo eles orado, naquela noite, São Nicolau apareceu ao Imperador Constantino e disse-lhe:

‒ Porque prendeste tão injustamente aqueles generais e os entregaste à morte, sem terem cometido crime algum? Levanta-te e ordena que os soltem o mais depressa possível. De contrário, pedirei a Deus que suscite uma guerra em que morras e sejas convertido em alimento das feras.

São Nicolau: terrível com os maus,
dadivoso com os bons. A seu lado, Santa Catarina
‒ Quem és tu ‒ disse-lhe o Imperador ‒, para entrares de noite no meu palácio e ousares dizer-me essas coisas?

‒ Sou Nicolau, bispo da cidade de Mira.

Mas também aterrorizou o prefeito da mesma maneira em sonhos, dizendo-lhe:

‒ O louco insensível! Porque consentiste na matança dos inocentes? Levanta-te depressa e esforça-te por libertá-los, se não o teu corpo ficará cheio de vermes e a tua casa em breve será destruída.

Ele replicou-lhe:

‒ Quem és tu para nos fazeres tais ameaças?

‒ Fica a saber ‒ respondeu ‒ que sou Nicolau, o bispo da cidade de Mira.

Por isso, ambos acordaram e imediatamente revelaram um ao outro os seus sonhos e, de contínuo, mandaram buscar aqueles encarcerados. Disse-lhes o Imperador:

‒ Que artes mágicas conheceis para nos enganardes com tais sonhos?

Responderam-lhe que não eram magos nem mereciam a sentença de morte. Volveu-lhes o Imperador:

‒ Conheceis um homem chamado Nicolau?

Quando eles ouviram este nome, estenderam as mãos para o céu pedindo a Deus que, pelos méritos de São Nicolau, os livrasse daquele perigo. Depois de saber por eles toda a sua vida e milagres, disse-lhes o Imperador:

‒ Ide, dai graças a Deus que vos libertou pelas suas orações e levai-lhe as nossas saudações, pedindo-lhe que nunca mais me ameace e que reze ao Senhor por mim e pelo meu Reino.

Poucos dias depois, aqueles homens foram ter com o servo de Deus e, prostrados a seus pés, logo humildemente lhe disseram:

‒ És verdadeiramente um servo de Deus e um fiel seguidor de Cristo.

Depois de lhe terem contado tudo em pormenor, ergueu as mãos ao céu e fez grandes ações de graças a Deus, mandando os prudentes generais regressar a suas casas.

continua no próximo post

Desejaria receber gratuitamente 'Orações e milagres medievais' em meu e-mail

domingo, 5 de dezembro de 2010

São Nicolau padroeiro dos navegantes, inimigo do diabo e da idolatria

São Nicolau salva os marinheiros, Museu de San Marco, Florenca
continuação do post anterior

CERTO DIA, alguns marinheiros que estavam em perigo, dirigiram-lhe por entre lágrimas esta oração:

‒ Nicolau, servo de Deus, se é verdade o que ouvimos a teu respeito, faz que agora o experimentemos.

Imediatamente lhes apareceu alguém parecido com ele, que lhes disse:

‒ Eis-me aqui, pois me chamastes!

E começou a ajudá-los nos mastros, nos cabos e nos outros aparelhos da nau, e logo a tempestade cessou. Depois, quando foram à sua igreja, reconheceram-no, embora nunca o tivessem visto nem alguém lho indicasse. Então deram graças a Deus e a ele pela sua salvação; o Santo, porém, ensinou-os a atribuir o milagre à misericórdia divina e à fé que haviam demonstrado, mas não aos seus méritos.

HOUVE TEMPO em que toda a região de São Nicolau foi assolada por uma fome tão grande que todos ficaram sem alimentos. Quando o homem de Deus ouviu que estavam no porto uns barcos carregados de trigo, foi logo lá e pediu aos marinheiros que lhe dessem, ao menos, cem moios [antiga unidade de medida] por cada nave, para matar a fome aos que estavam em perigo. Eles responderam-lhe:

‒ Pai, a isso não nos atrevemos, porque temos de entregar nos armazéns do Imperador o que foi medido em Alexandria.

‒ Agora, fareis o que vos digo ‒ disse-lhes o Santo ‒, pois, em nome de Deus, vos prometo que não tereis nenhuma diminuição quando chegardes junto do recebedor.

São Nicolau, inimigo das falsas religiões, Lübeck, Annenmuseum.
Tendo feito como ele dizia e entregado aos servos do Imperador a mesma medida que tinham recebido em Alexandria, contaram o milagre e, com grande louvor, atribuíram-no a Deus por intermédio do seu servo.

O homem de Deus distribuiu o trigo segundo a indigência de cada um, de modo que miraculosamente, durante dois anos, não só bastou para viverem, mas foi suficiente para as sementeiras.

NAQUELA REGIÃO prestava-se culto aos ídolos e o povo honrava sobretudo a nefanda Diana, a ponto de, até ao tempo do homem de Deus, terem sido muitos os camponeses que serviram essa execrável religião, fazendo determinados ritos dos gentios debaixo de certa árvore consagrada à deusa.

O homem de Deus baniu esse rito para fora das suas fronteiras e mandou cortar a árvore. Irado com isto, o antigo adversário fabricou um óleo mágico ‒ que, contra a natureza, arde na água e nas pedras ‒ e, transformando-se numa mulher religiosa, foi ao encontro de uns navegantes que a ele se dirigiam; então lhes falou assim:

‒ Gostaria de ir convosco ao Santo de Deus, mas não posso. Por isso, peço-vos que leveis este óleo para a sua igreja e que, em minha memória, unjais com ele as suas paredes.

E logo desapareceu. Mas avistaram um barquinho com pessoas honestas, entre as quais havia um muitíssimo parecido com São Nicolau que lhes perguntou:

‒ Olhai! Que vos terá dito ou vos deu aquela mulher?

Então eles contaram-lhe tudo do princípio ao fim. Disse-lhes ele:

‒ Esta é a impudica Diana; e para que vejais que falei verdade, atirai esse óleo ao mar.

Mal eles o atiraram, acendeu-se um grande fogo e, contra a natureza, viu-se arder no mar durante muito tempo. Quando chegaram junto do servo de Deus, disseram:

‒ Na verdade, tu és aquele que nos apareceu no mar e nos livraste das insídias do diabo.

continua no próximo post

Desejaria receber gratuitamente 'Orações e milagres medievais' em meu e-mail

domingo, 28 de novembro de 2010

São Nicolau, Bispo e Confessor: o maravilhoso e a virtude heróica

São Nicolau sagrado bispo
Em 1993, uma equipe de arqueólogos descobriu na ilha de Gemile, Turquia, um centro de peregrinações composto de quatro igrejas, um caminho processional e uma quarentena de prédios em torno do primeiro túmulo de São Nicolau (+ 326).

O conjunto foi arrasado pelo furor maometano, mas as relíquias do santo foram salvas e levadas a Myra, e hoje se veneram em Bari (Itália).

A história do santo bispo, que numa noite de Natal lançou pela janela os dotes a três moças pobres, possibilitando assim seu casamento, está na origem da tradição dos presentes natalinos.

A deturpação hodierna de São Nicolau deu no Papai Noel mas não desqualifica em nada essa bela tradição.

Enquanto o Natal se aproxima é proveitoso conhecermos mais da vida desse santo que marcou tão a fundo os costumes cristãos.

O Bem-aventurado Jacques de Voragine, arcebispo de Genova, escreveu uma história do Santo cheia de unção poética. A festa é o 6 de dezembro.

O NOME Nicolau vem de nichos, que significa “vitória”, e leos, que quer dizer “povo”; por isso, Nicholaus é como que “vitória do povo”, isto é, sobre os vícios que são mais vulgares e mais vis; ou quer dizer vitória do povo porque, com a sua vida e a sua doutrina, ensinou muitos povos a vencer os vícios e os pecados. Ou Nuholaus vem de nichos, que é “vitó¬ria”, e laus, “louvor vitorioso”. Ou ainda, de nitor (brancura) e leos (povo), como se significasse “bran¬cura do povo”, pois teve em si tudo o que faz a bran¬cura e a limpeza. De facto, segundo Santo Ambrósio, a palavra divina limpa, a verdadeira confissão limpa, a santa meditação limpa e a boa obra limpa. A sua história foi escrita pelos doutores Argólicos; segundo Santo Isidoro, Argos é uma cidade da Grécia e, por isso, os Argólicos também se chamam gregos. Lê-se noutro lugar que o patriarca Metódio a escreveu em grego e só depois, João, o Diácono, a traduziu para latim, fazendo-lhe muitos acréscimos.


São Nicolau nasceu na cidade de Patras, de pais santos e ricos. O pai, Epifânio, e a mãe, Joana, geraram-no na primeira flor da juventude e viveram a partir de então em continência, levando uma vida de celibatários.

DIZ-SE QUE no primeiro dia em que o lavavam se pôs de pé na bacia; além disso, às quartas e sex¬tas-feiras só mamava uma vez. Chegando à juventude, evitava as lascívias dos outros jovens, preferindo entrar nas igrejas e decorar o que lá podia ouvir acerca da Sagrada Escritura. Quando seus pais morreram, começou a pensar em como haveria de gastar as suas enormes riquezas, não para os louvores dos homens, mas para a glória de Deus.

Então, certo nobre seu vizinho pensou prostituir as suas três filhas virgens por falta de recursos, para, com o infame comércio delas, se poder sustentar. Quando o santo homem soube, ficou horrorizado com o crime e atirou uma quantidade de ouro envolvida num pano através de uma das janelas da casa onde ele morava e regressou à sua às escondidas.

Sao Nicolau salva as moças numa noite de Natal, Lübeck, Annenmuseum
Quando chegou a manhã, o homem encontrou aquela quantidade de ouro e, dando graças a Deus, celebrou o casamento da filha mais velha. Não muito tempo depois, o servo de Deus voltou a realizar obra semelhante. Voltando a encontrar o ouro e dando muitas graças, aquele homem decidiu vigiar para saber quem socorria a sua miséria. Passados alguns dias, Nicolau atirou o dobro do ouro para a casa do vizinho, que acordou com o barulho e seguiu São Nicolau que fugia, dizendo-lhe em alta voz:

‒ Pára, por favor, e não escondas o teu rosto do meu!

E, correndo mais depressa que Nicolau, reconhe¬ceu-o. Logo se prostrou e queria beijar-lhe os pés, mas ele, evitando-o, exigiu que nunca tornasse público aquele fato.

DEPOIS DISTO, tendo morrido o bispo da cidade de Mira, combinaram os bispos nomeá-lo para aquela igreja. Havia entre eles um de grande autoridade de quem todos dependiam para aquela eleição. Depois de ter aconselhado todos a fazerem jejum e orarem, ouviu naquela noite uma voz a dizer-lhe que de manhã cedo observasse as portas da igreja e quando visse chegar o primeiro homem cujo nome fosse Nicolau, olhasse bem para ele, para consagrá-lo bispo.

Revelou isto aos outros, aconselhando-os a insistirem na oração enquanto ia observar as portas da igreja. Admirou-se muito ao ver que, àquela hora matinal, o homem enviado por Deus antes de todos os outros era Nicolau; chamando-o a si, o bispo disse-lhe:

‒ Como te chamas?

Ele, com uma simplicidade de pomba, respon¬deu de cabeça inclinada:

‒ Nicolau, servo de vossa santidade.

Levaram-no para a igreja e, embora ele a isso muito se opusesse, colocaram-no na cátedra episcopal.

MAS ELE em tudo continuava a observar a humildade e a seriedade da sua conduta anterior: passava as noites em oração, mortificava o corpo, fugia do convívio com mulheres; era humilde com quantos recebia, eficaz no falar, entusiasta no exortar e severo no corrigir. Também se conta como se lê numa crônica que São Nicolau participou no Concílio de Nicéia.

continua no próximo post

Desejaria receber gratuitamente 'Orações e milagres medievais' em meu e-mail

domingo, 14 de novembro de 2010

Comentário ao “Vinde Espírito Santo”


No post anterior reproduzimos alguns dados históricos da famosa “seqüência” (um tipo de hino) “Veni Sancte Spiritus” (“Vinde, Espírito Santo”) cantada na festa de Pentecostes.

Será sempre útil um comentário sobre o valor e a utilidade dessa oração. É o que reproduzimos a continuação.

O bom espírito, o espírito reto, o senso católico é um dom de Deus. Não é uma coisa que o homem encontre com o mero exercício de sua inteligência, mas é algo que sua inteligência encontra movida e vivificada por um dom interno de Deus, que procede do Divino Espírito Santo.

Razão pela qual os homens pedem a Deus o espírito reto por meio da oração, com muita insistência, empenho e humildade, persuadidos que sem um dom celeste, não conseguirão.

Todo bom movimento da alma visando a virtude sobrenatural nos vem da graça de Deus, e essa graça é preciso pedi-la.

Não podemos ter a presunção de que o mero exercício de nossa inteligência é suficiente. Então, pedimos: “Vinde, Espírito Santo”.

Nós temos de pedir que o Divino Espírito Santo venha a habitar dentro de nossa alma com uma intensidade e com uma plenitude cada vez maior,.

Pela habitação do Espírito Santo, nosso espírito se torna capaz dos grandes pensamentos, volições, generosidades, percepções, resoluções, que sem o Espírito Santo é absolutamente impossível praticar.

A alma batizada é um templo onde está permanentemente o Espírito Santo. Quando o Anjo disse a Nossa Senhora que Ela era cheia de graça, disse que Ela era um vaso de eleição que transbordava do Espírito Santo.

A alma de todo santo transborda do Espírito Santo. Nela acaba não havendo a não ser Ele.

Então, o “Veni Sancte Spiritus” pede um dom excelente: "Enchei os corações de vossos fiéis".

Seguido de um outro pedido: “E neles acendei o fogo de vosso amor”.

É o pedido de que o Divino Espírito acenda em nós o fogo do amor de Deus, das coisas sobrenaturais, da apetência pela boa doutrina, pela virtude, pela generosidade, a luta e a contemplação.

O Espírito Santo é a chama que acende esse pavio que somos nós.

Quantas pessoas ficam desoladas e dizem: “Faço esforços, medito, mas não tomo amor às coisas católicas! A minha alma parece uma alma árida e seca, um deserto sem água...”

Por que isto? É porque está esperando essas qualidades de si própria. Não devo esperar de si, mas da graça de Deus.

Devo pedir, se não tenho. Peço porque não tenho. E, se tenho, peço para ter mais. Nunca na vida se deve deixar de pedir essa moção interna de Deus na alma.

Depois, o hino insiste na idéia de: “Enviai, Senhor, o vosso Espírito, e tudo será criado”.

Todo o espírito de sensualidade e de orgulho, que são o fundo do oposto, do espírito da Revolução, é estraçalhado quando Deus envia seu Espírito.

O Espírito Santo acende o espírito de humildade, de hierarquia, de pureza.

Um sopro do Divino Espírito Santo pode acabar completamente com o mal no mundo, quer dizer a Revolução. A Revolução é fundamentalmente um espírito mau. Desde que o Divino Espírito Santo tenha pena de nós e que queira agir, Ele pode acabar com a Revolução.

Esse pensamento aparece novamente na oração: “Deus, que pela ilustração do Espírito Santo ensinastes os corações dos fiéis, concedei-nos ‒ e aqui está a coisa importante ‒ saborear no mesmo Espírito as coisas retas e gozar sempre de vossa consolação”.

Se há uma coisa que o mundo de hoje perdeu é o sabor das coisas retas. O mundo de hoje só acha sabor na imoralidade, na agitação, na desordem, na subversão de todos os valores.

Numa cidade como São Paulo, o que é que se está fazendo neste momento?

Vai-se longe o tempo em que os homens encontravam distração, entretenimento, atrativo, estabilidade de alma na consideração das coisas retas.

As coisas retas hoje são tidas como insípidas. O mundo não compreende a delícia das coisas retas, e sobretudo daquelas mais altas que nos levam para o Céu, que nos dirigem para Deus.

Esse sabor das coisas retas, do que é honesto, direito, é o Divino Espírito Santo que nos dá, e devemos pedir que seja restaurado em nós.

Uma relação entre isso e Nossa Senhora:

Ela é a Esposa do Divino Espírito Santo. E como Esposa perfeitíssima e fidelíssima, o Espírito Santo encontra n’Ela a plenitude de sua complacência, e a Ela não recusa coisa alguma.

Por causa disso, Ela é nossa Medianeira seguríssima junto ao Espírito Santo.

Se queremos alguma coisa do Espírito Santo, devemos pedir por meio d’Ela.

Então, pedir a Nossa Senhora especialmente o sabor das coisas retas, elevadas, sublimes, daquilo que na Terra nos fala do Céu e nós da o horror e a aridez para com as coisas que são de outra natureza.

(Fonte: Plinio Corrêa de Oliveira, 12/3/66. Sem revisão do autor)

Clique aqui para ouvir

Coro da TFP americana

Eis o texto em latim (como é cantado) e em português:

1. Veni Sancte Spiritus, et emitte cælitus, lucis tuæ radium.
1. Vinde, Espírito Santo, e enviai do céu um raio de Vossa luz.

2. Veni pater pauperum, veni dator munerum, veni lumen cordium.
2. Vinde, pai dos pobres, vinde dispensador dos dons, vinde luz dos corações.

3. Consolator optime, dulcis hospes animæ, dulce refrigerium.
3. Consolador por excelência, hóspede da alma, nosso doce refrigério.

4. In labore requies, in æstu temperies, infletu solatium.
4. No trabalho, sois repouso; no ardor, sois calma; no pranto, consolo.

5. O lux beatissima, reple cordis intima, tuorum fidelium.
5. Ó luz beatíssima, penetrai até o fundo do coração dos que vos são fiéis.

6. Sine tuo numine, nihil est in homine, nihil est innoxium.
6. Sem vossa graça, nada há no homem, nada que não lhe seja nocivo.

7. Lava quod est sordidum, rega quod est aridum, sana quod est saucium.
7. Lavai o que é impuro, fecundai o que é estéril, ao que está ferido curai.

8. Flecte quod est rigidum, fove quod est frigidum, rege quod est devium.
8. Dobrai o rígido, aquecei o que é frio e o que se extraviou, guiai.

9. Da tuis fidelibus, in te confidentibus, sacrum septenarium.
9. Dai aos que vos são fiéis e em vós confiam, os sete dons sagrados.

10. Da virtutis meritum, da salutis exitum, da perenne gaudium. Amen.
10. Dai-lhes o mérito da virtude, a salvação no termo da vida, a eterna felicidade.

Desejaria receber gratuitamente 'Orações e milagres medievais' em meu e-mail

domingo, 17 de outubro de 2010

O Anjo do Senhor: mais uma oração do tempo das cruzadas


Outrora, ao som das Ave-Marias, todos se ajoelhavam para rezar o “Anjo do Senhor”. São Carlos Borromeu não se acanhava de descer da carruagem para recitá-lo de joelhos na rua, muitas vezes na lama.

A recitação do Angelus data do tempo das cruzadas, e foi prescrita pelo Papa Urbano II em memória da Anunciação de Maria — cuja festa é celebrada a 25 de março — verdadeiro início dos novos tempos de graça e reconciliação da humanidade com Deus.

Em alguns países (Itália e Alemanha) começaram os fiéis a recitá-lo também de manhã. A forma atual do “Anjo do Senhor” valia por uma profissão de fé.

Quem não o rezasse ao toque das Ave-Marias ficava suspeito de ser protestante ou herege.

(S. Afonso de Ligório, “Glórias de Maria”; C. Benigno Lyra, “Rosas de todo o ano”)

Desejaria receber gratuitamente 'Orações e milagres medievais' em meu e-mail

terça-feira, 28 de setembro de 2010

Na festa de São Miguel Arcanjo : 29 de setembro


Comemora-se a 29 de setembro a festa do glorioso São Miguel, cuja invicta combatividade em defesa do Deus onipotente é assim descrita no Apocalipse:

“Houve uma batalha no Céu: Miguel e os seus Anjos guerrearam contra o Dragão. O Dragão batalhou, juntamente com os seus Anjos, mas foi derrotado e não se encontrou mais um lugar para eles no Céu” (Apoc. 12, 7-8).

E o Profeta Daniel refere-se a São Miguel nos seguintes termos:

“Naquele tempo, surgirá Miguel, o grande Príncipe, constituído defensor dos filhos do seu povo [isto é, o povo fiel católico, herdeiro, no Novo Testamento, do povo de Israel], e será tempo de angústia como jamais houve” (Dan. 12, 1).

São Miguel é comumente designado como Arcanjo. Entretanto, tal qualificação pode ser genérica e não significar que ele pertença ao oitavo coro de Anjos (os Arcanjos).

A esse respeito, merece ser reproduzida significativa citação do grande exegeta jesuíta Pe. Cornélio A Lapide, nascido em Bocholt, província belga de Limburgo, em 1567, e falecido em Roma, a 11 de março de 1637.

A extensa obra desse insigne autor, que comentou todos os livros do Antigo e do Novo Testamento, é até hoje universalmente admirada. Merecem especial destaque a grande erudição, a escrupulosa diligência e o luminoso engenho com que ele trata da Sagrada Escritura.

Embora num ou noutro ponto do texto bíblico tenham surgido novas questões, é incontestável que seus magníficos comentários e eruditas citações ainda hoje gozam de autoridade. Eis suas palavras:

Imagem de São Miguel, com elmo e revestida de armadura medieval, colocada na flecha da torre da Abadia do Mont Saint Michel (França)

“Muitos julgam que Miguel, tanto pela dignidade de natureza, como de graça e de glória é absolutamente o primeiro e o Príncipe de todos os anjos.

terça-feira, 21 de setembro de 2010

“Oh luz da bem-aventurada Trindade”: hino de Santo Ambrósio

Santo Ambrósio, Vitale di Bologna
Santo Ambrósio, arcebispo de Milão (337 – 4/4/397), mestre de Santo Agostinho(340-397), é um dos quatro máximos Padres da Igreja. Ele está assim representado na Basílica de São Pedro em Roma.

Grande combatente contra a heresia do arrianismo, o corpo do Doutor conseva-se incorrupto na basílica a ele dedicada em Milão.

Entre os múltiplos frutos do apostolado do sábio e heróico arcebispo conta-se ter resolvido um dilema que ameaçava dividir os cristãos de seu tempo.

Com efeito, a Igreja após séculos de perseguições romanas, recuperou a liberdade para o culto, enquanto que os templos pagãos foram fechados pelo célebre e insigne Edito de Milao, do imperador Constantino, em 313.

O miolo da discussão era saber se fosse lícito cantar nas igrejas. Alguns observavam que na hora de compor os cânticos, os músicos apelavam para ritmos e melodias também usadas pelos pagãos. De ali, julgavam que com esses cânticos acabava se reproduzindo o ambiente dos templos pagãos.

Outros apontavam que cantar orações ou textos como os dos Salmos não poderiam fazer mal ainda que com ressonâncias idolátricas.

Santo Ambrósio soube equilibrar o problema e forneceu a solução. Ele aprovava enfaticamente o uso da música e do canto nas igrejas, mas reprovava também fortemente o emprego de melodias ou ritmos inspirados nos pagãos.

Ele próprio compôs um gênero de música ‒ o Canto Ambrosiano ‒ que foi precursor do Gregoriano.

Anjo músico, Beato Angêlico
Além do mais redigiu famosos hinos cantados até hoje, como o insuperável Te Deum, que teria sido composto numa conversa com o jovem Santo Agostinho. A conversa entre os dois foi se elevando até virar canto e hino: assim nasceu o Te Deum.

Santo Ambrósio compôs muitos outros hinos, como os famosos “Deus creator omnium” e “Aeterne rerum Conditior”.

“Dizem que eu alicio o povo com os hinos?”, perguntava o santo arcebispo.

E respondia com grandiosa afirmatividade:

‒ “Não nego que essa seja uma sedução. O que há de mais comovedor que a confissão da fé na Ssma Trindade repetida diariamente pela boca de todo o povo, quando as vozes da multidão de homens, mulheres e crianças, subindo e descendo se elevam com um estrépito semelhante aos grandes vagalhões do mar que se entrechocam e arrebentam?”.

Entre os hinos a ele atribuídos consta também “O lux beata trinitas”, cujo texto reproduzimos a seguir em latim ‒ a língua do santo e da Igreja‒ e sua tradução para o português. No vídeo abaixo, ouvimos o mesmo hino acompanhado de fotos ilustrativas da catedral de Segovia, Espanha.

Veja vídeo
Vídeo: O lux Beata Trinitas
Catedral de Segovia

Santo Ambrósio
O Lux beata Trinitas:
Oh luz da bem-aventurada Trindade:
Et principalis Unitas:
Unidade fundamental:
Jam sol recedit igneus,
Que ofusca o fogo do próprio sol
Infunde lumen cordibus.
Enche de luz os corações.

Te mane laudum carmine,
A Vós eleva-se nosso cântico matutino,
Te praedicamus vespere;

A Vós se volta nossa oração vespertina;
Te nostra supplex gloria
Que nossa glorificação suplicante;
Per cuncta laudet saecula.
Vos louve pelos séculos dos séculos

Deo Patri sit gloria,
A Deus Pai seja dada a glória,
eiusque soli Filio,
E a seu filho Unigênito,
cum Spiritu Paraclito,
Ao Espírito Santo Paráclito,
et nunc, et in perpetuum.
Agora e para sempre.

(Repete:)
O Lux beata Trinitas:
Oh luz da bem-aventurada Trindade:
Et principalis Unitas:
Unidade fundamental:
Jam sol recedit igneus,
Que ofusca o fogo do próprio sol
Infunde lumen cordibus.
Enche de luz os corações.

sexta-feira, 17 de setembro de 2010

A viagem de S.S.Bento XVI e a conversão dos anglicanos

Fervor popular pelo catolicismo desarmou boatos midiáticos
Em virtude das excecionais condições em que acontece a visita de S.S.Bento XVI ao Reino Unido, reproduzimos um post relativo à eventual futura conversão do país anunciada em La Salette, tirada do blog "A Aparição de La Salette e suas profecias". 

Recepção na Escócia: rainha, personalidades e crianças

Quando Maximin, vidente de La Salette, redigiu o Segredo que lhe confiou Nossa Senhora em 1851 escreveu: “um grande país no norte da Europa, hoje protestante, se converterá. Pelo apoio desta nação todos os outros países se converterão”.

Na redação de seu Segredo feita em 1853 Maximin registrou que esse país protestante seria a Inglaterra.

Dita conversão seria um dos sinais da proximidade dos terríveis castigos que purificariam o mundo preparando o advento do Reino de Maria.

Esta previsão adquiriu cogente atualidade após a notícia oficial que a Igreja Católica se apresta a receber grandes blocos de anglicanos ‒ sobre tudo ingleses ‒ agastados com a nomeação de “sacerdotisas”, “bispos” e “bispas” homossexuais.

Peregrinação das relíquias de Santa Terezinha, Cardiff, outubro de 2009
As notícias da mídia inglesa especulam que poderiam ser milhões. Entre eles tal vez 30-50 “bispos” e 1.000 “sacerdotes” (os anglicanos não têm o sacramento da Ordem, e esses títulos não têm o significado que têm no Catolicismo).

Para o influente diário de Londres “The Times”, no fim do processo a igreja anglicana poderia ficar reduzida a uma insignificância residual.

A simples perspectiva da conversão de grande número de anglicanos ao catolicismo causou, obviamente, forte mal-estar nos ambients anti-católicos, em certa mídia e nos ambientes "progressistas" intoxicados por um falso ecumenismo. 

O fato tem projeção política, social e cultural. O anglicanismo é a religião oficial de Estado e a rainha Elisabeth II é a chefe nominal dela.

Uma lei proíbe os católicos herdarem o trono. Porém, houve casos recentes de príncipes e princesas da casa real inglesa que se tornaram católicos.
Peregrinação das relíquias de Santa Terezinha, Lancaster, outubro de 2009

Segundo boatos nunca confirmados, mas também nunca infirmados, a rainha teria, ela própria, ocultas simpatias pelo catolicismo e participa do desgosto de inúmeros anglicanos com a decomposição moral do “clero” dessa denominação.


Há sérias iniciativas parlamentares visando remover a lei que proíbe um príncipe católico herdar o trono.

A passagem em massa de anglicanos para o catolicismo fez lembrar não só La Salette mas outras profecias particulares relativas à conversão da Inglaterra.

A visão de São Domingos Sávio

Além do segredo de La Salette a mais famosa é o “sonho” de São Domingos Sávio. Em verdade, tratou-se de um êxtase que o menino santo chamou de “distração”.

Peregrinação das relíquias de Santa Terezinha, Darlington, outubro de 2009
Este “sonho” é especialmente digno de nota, pois envolve também a São João Bosco e ao Beato Pio IX. A vida e a obra dos três foi objeto dos severos crivos dos processos de beatificação e canonização. Neles, escritos e falas dos três foram analisados com lupa pelos advogados vaticanos que os declararam isentos de todo erro contra a fé ou contra a moral.

A visão num êxtase de São Domingos Sávio foi descrita pelo próprio São João Bosco no capítulo XX do livro “Vita del giovanetto Savio Domenico” (“Vida do jovem Domingos Sávio”) .

Don Bosco conta que estando perto de São Domingos Sávio agonizante perguntou-lhe o que ele diria ao Papa se pudesse falar-lhe. De ali nasceu o seguinte diálogo entre os dois santos:

“‒ Se eu pudesse falar ao Papa, quereria lhe dizer que em meio às tribulações que o aguardam não deixe de trabalhar com especial solicitude pela Inglaterra; Deus prepara um grande triunfo do catolicismo naquele reino.

“‒ No que é que V. baseia essas palavras?

“‒ Vou contar-lhe, mas não mencione isso aos outros, pois podem achar ridículo. Mas se o Sr. vai a Roma, diga-o a Pio IX por mim. (...)

“Certa manhã, durante minha ação de graças após a comunhão, voltei a ter uma distração, que me pareceu estranha; eu achei ver uma grande parte de um país envolvida em grossas brumas, e estava cheia com uma multidão de pessoas. Estavam se movendo, mas como homens que, tendo perdido seu caminho, não estavam certos onde pisavam.

Beato Papa Pio IX
“Alguém próximo disse: ‘Esta é a Inglaterra.’

“Eu estava para fazer algumas perguntas a respeito disso quando vi Sua Santidade Pio IX, representado da mesma maneira que vi nas figuras.

“Ele estava majestosamente vestido, e estava carregando uma tocha brilhante com a qual ele se aproximou da multidão, como que para iluminar sua escuridão.

“À medida que se aproximava, a luz da tocha parecia dispersar a névoa, e as pessoas foram trazidas à plena luz do dia.

“Esta tocha,” disse meu informante, “é a religião Católica que está para iluminar a Inglaterra”.

No Boletim Salesiano (Turim, abril de 1924, nº 4), ainda encontramos as seguintes confidências ouvidas por São João Bosco da boca do menino santo:

‒ “Quantas almas aguardam nossa ajuda na Inglaterra! Oh se eu tivesse força e virtude, quereria ir para lá aqui na hora e conquistá-las todas para o Senhor com pregações e com o bom exemplo”.

No mesmo boletim (1° de março de 1950, nº 5), ainda lemos:

“No dia seguinte, ele fez todos os exercícios pela boa morte, despediu-se dos companheiros, um por um, pagou uma dívida de dois tostões que tinha com um deles, falou aos sócios da Companhia da Imaculada, e por fim saudou a Don Bosco dizendo:

‒ “O Sr. indo a Roma lembre do recado para o Papa pela Inglaterra. Reze por mim para que eu possa ter uma boa morte e adeus até o Paraíso...”

Don Bosco cumpriu o combinado, e assim narrou:

“No ano de 1858 quando eu fui a Roma, contei essas coisas ao Sumo Pontífice, que ouviu com bondade e aprazimento.

“‒ Isto, disse o Papa, me confirma no propósito de trabalhar energicamente em favor da Inglaterra, pela qual eu já engajo as minhas mais vivas solicitudes. Esse relato, para não dizer mais, chega-me como o conselho de uma boa alma.”

__________________

E São Domingos Sávio não foi nem o único nem o primeiro santo que recebeu luzes proféticas sobre a conversão futura da Inglaterra e dos grandes fatos que adviriam en conseqüência do retorno inglês à Fé católica, única verdadeira.

Sobre essas visões, há interessantes posts no blog "A aparição de La Salette e suas profecias".

Se seu email não visualiza corretamente o vídeo embaixo CLIQUE AQUI

A PEREGRINAÇÃO DAS RELÍQUIAS DE SANTA TERESINHA
E A CONVERSÃO DA INGLATERRA



Fotos de 'catholicrelics.co.uk'

Desejaria receber gratuitamente 'Orações e milagres medievais' em meu e-mail

domingo, 5 de setembro de 2010

Anima Christi: uma oração dificilmente superável

Origem

Esta famosa oração apareceu na primeira metade do século XIV e foi enriquecida com indulgências pelo Papa João XXII em 1330.

Não se tem certeza sobre a autoria, tal vez seja do próprio João XXII.

Entretanto, é geralmente atribuída a Santo Inácio de Loyola (1491-1556, muito posteior) pois o grande santo colocava-a sempre no início de seus “Exercícios Espirituais” e referia-se com freqüência a ela.

O texto mais antigo foi achado no British Museum de Londres datado de 1370.

Em Avignon, França, conserva-se um livo de orações do Cardeal Pedro de Luxemburgo falecido em 1387. Nele encontra-se o Anima Christi na forma que o rezamos hoje.

Esta oração era tão famosa no tempo de Santo Inácio que o santo a citava como sendo conhecida por todos. Cfr. verbete ANIMA CHRISTI, na Enciclopedia Católica (em inglês)

Ouça o Anima Christi cantado
Se seu email não toca corretamente a música CLIQUE AQUI


Coro da TFP americana


 Latim

Anima Christi, sanctifica me.
Corpus Christi, salve me.
Sanguis Christi, inebria me.
Aqua lateris Christi, lava me.
Passio Christi, conforta me.
O bone Iesu, exaudi me.
Intra tua vulnera absconde me.
Ne permittas me separari a te.
Ab hoste maligno defende me.
In hora mortis meae voca me.
Et iube me venire ad te,
ut cum Sanctis tuis laudem te
in saecula saeculorum.
Amen

Português

Alma de Cristo, santifica-me
Corpo de Cristo, salva-me
Sangue de Cristo, extasia-me
Água que vem de Cristo, lava-me
Paixão de Cristo, conforta-me
Ó bom Jesus, escuta-me
Entre tuas feridas, esconde-me
Não permitas que me separe de ti
E dos exércitos do maligno, defende-me
E na hora da Morte, chama-me
E deixa-me ir a ti
e com teus santos, te louvar
Pelos séculos dos séculos
Amém

Comentário

Talvez não haja entre todas as orações compostas por mente de homem, uma que supere o “Anima Christi”.

Em deliciosa intimidade, em confiante e terníssimo respeito, em clareza de sentido e esplêndida riqueza de substância, só conheço, que se lhe iguale, a Salve Rainha e “Memorare”.

Compõe-se o “Anima Christi” de doze súplicas que podemos dividir em duas parte bem distintas.

Nas sete primeiras, o fiel cristão considera o Corpo e Alma de Nosso Senhor Jesus Cristo, aproxima-se dEle tão e tão de perto, que se tem a impressão de sentir o próprio calor do Corpo Divino, de tocar real e verdadeiramente nossos lábios penitentes, nas dulcíssimas chagas do Redentor.

Quando imagino São Francisco de Assis, na famosa visão em que o Crucificado o abraçou, imagino-o balbuciando em êxtase, uma a uma, as sete primeiras súplicas do Anima Christi, e não se fartando de as repetir durante todo o tempo que durou a glória e a doçura do divino amplexo.

Na segunda parte da prece, a alma já não está de pé, abraçada ao Redentor. Cessou o êxtase, e o fiel está ao pé da Cruz, exprimindo seus últimos e mais ardentes anelos numa humildade divina, como Maria, depois de se ter apartado a angélica visitação.

(Fonte: Plinio Corrêa de Oliveira, Legionário, N.º 635, 8 de outubro de 1944)

O que quer dizer "Sangue de Cristo inebria-me"? A sagrada Comunhão, como Sangue de Cristo, dá-nos uma lucidez por onde a nossa alma fica levada muito além das realidades comuns.

Ao contrário da embriaguez do vinho que nos leva para um irreal de mentira, a embriaguez do Espírito Santo nos leva para o auge da posse da verdade, o auge do conhecimento da verdade revelada, da religião. Essa é a casta embriaguez do Espírito Santo.

“Aqua lateris Christi, lava me”: aquela água do lado de Cristo que correu por ocasião da Paixão dEle, que caia sobre nós para nos lavar.

Os senhores conhecem a piedosa tradição de que o centurião (Longinos) que perfurou Nosso Senhor era quase cego, tinha uma vista muito curta e que aquele Sangue jorrou, aquela água caiu sobre ele e curou-o da cegueira.

Que bonita coisa para pedir para nós:

domingo, 22 de agosto de 2010

A cartuxa de Montalegre

Cartuxa de Montalegre, Catalunha, EspanhaDois jovens estudantes, Juan de Nea e Tomás de Zarzana, voltavam de Barcelona, onde estudavam, para sua cidade natal. Próximo de Barcelona, pararam num formoso lugar, onde depois se instalou a Cartuxa de Montalegre, que hoje está em ruínas.

Pararam e contemplaram a paisagem, que naquele lugar é uma maravilha. Tomás de Zarzana disse que quando chegasse a ser Papa, fundaria naquele local uma Cartuxa, já que parecia um panorama ideal para a oração e meditação. Juan de Nea respondeu-lhe, brincando, que se faria monge dessa Cartuxa.

segunda-feira, 16 de agosto de 2010

Suposto atentado a bomba a Lourdes revela quanto o mal está incomodado

A polícia agiu celeremente
Por volta de 30.000 peregrinos foram evacuados de emergência no meio-dia de domingo, festa da Assunção, do Santuário de Lourdes, após um falso alarme de bomba.

Na data, o santuário estava particularmente concorrido pela importância da Assunção de Nossa Senhora e pelo fato de ser domingo, no meio das férias.

“O alarme foi recebido na delegacia e anunciava que quatro bombas iriam explodir às 15:00 hs (18:00 hs horário de Brasília) nos Santuários”, segundo o responsável do serviço de imprensa dos santuários, Pierre Adias.

Pierre Bidal, préfét (cargo análogo ao de governador) do departamento de Hauts Pyrénées, onde fica Lourdes, explicou que o telefonema foi feito desde uma cabine próxima do santuário por “um homem com forte pronúncia mediterrânea (do sul da França), que parecia bastante determinado”, informou o diário francês “Le Figaro”.

A polícia nada achou
“Creio que num santuário como Lourdes, com todo o simbolismo que está envolvido, é supremamente importante levar a sério a hipótese, sobre tudo pelo fato que este tipo de alarmes são extraordinariamente escassas”, explicou Bidal à imprensa.

Os peregrinos foram convidados a sair do Santuário com mensagens em seis línguas. A evacuação ocorreu em perfeita calma, e não foi registrado nenhum incidente nem feridos.

Aliás, um dos imponderáveis de Lourdes é a calma sobrenatural que se respira no local. Em outros locais marcados por falsas religiões ou pela imoralidade, como em Meca ou no Love Parade de Berlim, circunstâncias análogas geram pânicos irracionais com dezenas e até centenas de mortos.


domingo, 15 de agosto de 2010

Assunção de Nossa Senhora: verdade de Fé promovida na Idade Média

Assunção, detalhe iluminura s. XV.
Columbia University, UTS MS 049

“A Imaculada Mãe de Deus, a sempre Virgem Maria, terminado o curso de sua vida terrestre, foi assunta em corpo e alma à glória celestial”

Com essas imorredouras palavras, o Santo Padre Pio XII definiu o dogma da Assunção da Santíssima Virgem ao Céu em corpo e alma, solenemente proclamado no dia 1º de novembro de 1950, pela Constituição dogmática “Munificentissimus Deus”.

A solene proclamação desse augusto dogma veio coroar séculos de devoção a Nossa Senhora enquanto tendo sido levada aos Céus em corpo ressurreto e alma.

domingo, 8 de agosto de 2010

A Mulher do Apocalipse e o simbolismo da lua sob os pés de Nossa Senhora

Nossa Senhora levando o Menino Jesus é símbolo da Igreja. A Igreja (=Ecclesia) aparece em pé sobre a lua minguante para sublinhar que seus fundamentos são o Antigo Testamento. Sem dúvida, é também um símbolo da vitória da Igreja sobre a Sinagoga (cfr. Dayton University, Mary Page).

Na iconografia, Nossa Senhora passou a representar também a Igreja herdando seus atributos. O Gradual Katharinenthal de 1312 apresenta uma imagem de transição, onde a mesma figura feminina contém ou têm os atributos simultaneamente da Igreja, de Maria e da Mulher do Apocalipse.

As primeiras representações da Ecclesia (=Igreja) nos séculos X-XII a apresentam como a mulher apocalíptica enfrentando o dragão. O motivo da mulher apocalíptica é aplicado em uma variedade de formas a Maria.

domingo, 25 de julho de 2010

São Remígio e o bispo pecador

São Remígio com o rei Clóvis

continuação do post anterior

Muito tempo depois, Guénebauld, homem de grande prudência, que tinha casado com a sobrinha de São Remi, de acordo com a mulher, decidiram separar suas vidas para entrar em religião.

Guénebauld foi sagrado bispo de Laon por São Remi.

Porém, como Guénebauld permitia que sua mulher o visitasse com muita freqüência para receber dele ensinamentos, nesses encontros seu espírito deixou-se inflamar pela concupiscência e os dois caíram no pecado.

Catedral de Reims
Sua mulher concebeu e deu a luz um filho e avisou ao bispo. E este, inteiramente confundido, informou a São Remi que lhe mandou dizer: “Posto que essa criança foi concebida roubando o que é devido a Deus, eu quero que seja chamada Ladrão”.

Agora bem, Guénebault deixava vir a mulher à sua casa como antes, e ainda que eles tivessem chorado seu pecado, eles caíam ainda em novas faltas.

Após nascer uma menina, enviaram-na a São Remi que respondeu: “Chamai essa filha de Raposa”.

Por fim, caindo em si, Guénebault foi ver a São Remi, e, se jogando a seus pés quis tirar a estola de seu pescoço.

São Remi impediu-o de fazer isso e ouvindo da própria boca dele as desgraças nas quais tinha caído, ele consolou-o com doçura, fechou-o dentro de uma estreita cela durante sete anos, e ele próprio governou a diocese no ínterim.

No sétimo ano, na festa da Ultima Ceia do Senhor, Guénebault estava em oração quando um anjo lhe apareceu, declarando-lhe que seu pecado estava perdoado e lhe ordenando de sair de sua reclusão.

Ele, então, respondeu:

‒ “Não posso, pois, meu senhor Remi fechou a porta e a selou como seu anéu”.

O anjo disse:

domingo, 18 de julho de 2010

São Remígio batizou Clóvis e os francos

São Remi, basílica de Reims
O nome Remígio vem de remi que significa apaziguando e gios, terra, no sentido de apaziguando os habitantes da terra.

Também pode se dizer que Remígio vem de remi, pasto, e gyon combate, quer dizer o pastor que combate.

Ele nutriu seu rebanho com a palavra de pregação, com o exemplo da conversão e com os sufrágios de sua oração.

Há três tipos de armas: as defensivas como o escudo, as ofensivas como a espada e as protetoras como a couraça ou o elmo.

Ele lutou, pois contra o diabo com o escudo da fé, a espada da palavra de Deus e a armadura da esperança. Sua vida foi escrita por Hincmar, arcebispo de Reims.

A nascença de Remi, doutor ilustre e confessor glorioso do Senhor, foi predita por um ermitão, da maneira seguinte: os vândalos devastavam toda a França, e um santo recluso e cego elevava freqüentes prezes ao Senhor pela paz da Igreja francesa, quando um anjo lhe apareceu e disse:

“Sabei que a mulher chamada Cilinie dará a luz um filho de nome Remi; ele libertará seu país da incursão dos ruins”.

Quando ele acordou, correu imediatamente até a casa de Cilinie e contou a visão que tinha tido. Como ela não acreditava em nada por causa de sua velhice, ele respondeu:

‒ “Quando tu amamentarás teu filho, tu ungirás com cuidado meus olhos com teu leite e na hora devolver-me-ás a visão”. Todas estas coisas aconteceram sucessivamente como preditas.

Remi abandonou o mundo e encerrou-se num claustro. Sua reputação crescia, e quando tinha 22 anos, ele foi aclamado pelo povo para ser arcebispo de Reims.

Uma pomba trouxe o óleo para ungir o rei
Ora bem, sua mansidão era tal que os pássaros iam até sua mesa para comer na sua mão as migalhas da refeição.

Tendo sido albergado durante certo tempo por uma matrona que possuía uma pequena quantidade de vinho, Remi entrou na adega fez o sinal da cruz sobre a barrica, começou a rezar, e logo o vinho aumentou tanto que se derramou e se espalhou por toda a adega.

Naqueles tempos, Clóvis era rei da França. Ele era pagão e sua esposa que era muito cristã não pôde convertê-lo.

Porém, quando ele viu vir contra ele um exército incontável de alamanos, ele fez promessa ao Senhor Deus que sua mulher adorava, que adotaria a fé de Jesus Cristo se Ele lhe concedia a vitória sobre os inimigos.

Ele obteve o que desejava e foi, pois, a encontrar São Remi e lhe pediu o batismo.

Ampola com o óleo para sagrar os reis da França
Tendo-se aproximado todos da pia batismal, verificou-se que faltavam os santos óleos.

domingo, 11 de julho de 2010

A caixinha com os olhos


O Rei Ricardo da Inglaterra, indo ao convento de Santo Emblay para entregar uma filha sua, enamorou-se de uma monja.

Enviou-lhe muitos presentes e jóias, com a pretensão de vencer sua vontade. Mas como ela não se submetia, mandou avisar a abadessa que a entregasse, sob pena de destruir o convento.

Enviou então uns homens, para que a trouxessem à força. Quando os homens chegaram ao mosteiro, ela lhes perguntou por que o príncipe se havia enamorado dela mais do que das outras monjas.

Eles lhe responderam que era por causa da grande beleza de seus olhos. Ela então, com decisão, arrancou os próprios olhos, dizendo aos homens:

"Soldados, levem os meus olhos, já que por eles o rei se enamorou. E deixem a mim, pois amo menos os meus olhos do que minha alma".

E em uma caixinha ela os mandou ao Rei. Envergonhado, este dirigiu-se ao mosteiro, para pedir perdão. Pôs a caixa com os olhos sobre o altar da Virgem, dizendo-lhe que não se iria embora até que os restituísse à santa monja.

O milagre se fez, e a Virgem restituiu à monja os olhos mais formosos do que antes, fazendo-se o Rei devoto de Maria e protetor do mosteiro.


(V. Garcia de Diego, "Antologia de Leyendas de la Literatura Universal" - Labor, Madrid, 1953, p. 173)

Desejaria receber gratuitamente 'Orações e milagres medievais' em meu e-mail

domingo, 4 de julho de 2010

Beato Carlos Magno: imperador cultuado em diversas dioceses

Em Carlos Magno, rei dos francos o Papa São Leão III instituiu o Sacro Império Romano Alemão.

O histórico fato aconteceu na noite de Natal do ano 800. Na basílica de São Pedro, no Vaticano, conserva-se no chão a pedra sobre a qual deu-se a coroação.

São Leão III instituiu o Sacro Império Romano Alemão no Natal de 800
Carlos Magno é cultuado como Bem-Aventurado em diversas dioceses antigas e prestigiosas da Europa.

Nessas dioceses as imagens do Beato Carlos Magno se encontram nos altares. No dia de sua festa, há missa e ofício próprios.

Por isso, o avalizado Dom Guéranger, no seu famosíssimo Année Liturgique inclui a seguinte oração litúrgica ao grande Beato Carlos Magno.

Salve, ó Carlos, bem-amado de Deus, Apóstolo de Cristo, defesa de sua Igreja, protetor da justiça, guardião dos costumes, terror dos inimigos do nome cristão!

O diadema maculado dos Césares, mas purificado pelas mãos de Leão, coroa a vossa fronte augusta; o globo do Império repousa em vossa forte mão; a espada dos combates do Senhor, sempre vitoriosa, está suspensa em vosso cinturão; e a unção imperial veio se unir à unção real, com a qual a mão do Pontífice já tinha consagrado vosso braço poderoso.

Transformado na figura de Cristo na Sua Realeza temporal, quiseste que Ele reinasse em vós e por meio de vós.


Carlos Magno, mosaico no exterior de São Pedro, Roma
Ele vos recompensa agora do amor que tivestes por Ele, do zelo que mostrastes pela sua glória, do respeito e da confiança que testemunhastes à sua Igreja. Em troca de uma realeza terrena, caduca e perecível, recebestes uma realeza imortal no seio da qual tantos milhões de almas, arrancadas por vós da idolatria, vos honram como instrumento de sua salvação.

Nesses dias em que celebramos o nascimento de Nosso Senhor por Nossa Senhora, vós lhe apresentais o templo gracioso e magnífico que construístes em sua honra [Aix-la-Chapelle], e que ainda hoje é objeto de nossa admiração.
Foi nesse santo lugar que vossas mãos piedosas colocaram os panos de seu Divino Filho.

domingo, 27 de junho de 2010

A devoção medieval a Nossa Senhora e o senso da honra



A devoção à Virgem predispõe os medievais ainda um tanto rudes à delicadeza, à piedade, à proteção dos fracos, ao respeito das mulheres. Traz em si uma virtude de civilização e de cortesia.

Os testemunhos disso são infinitos e encantadores.

Imagine-se que no século XII um monge de Saint-Médard, Gautier de Coinci, relatou em trinta mil versos os milagres de Nossa Senhora. E que milagres primorosos, dignos da Légende Dorée!

Lá, um monge ignorante que sabe recitar apenas duas palavras — AVE MARIA —, e que por sua ignorância é desprezado.

Ele morre, e de sua boca saem cinco rosas em honra às cinco letras do nome MARIA.

Uma freira, tendo abandonado o convento para se entregar ao pecado, volta após longos anos e encontra a Virgem — a quem ela nunca cessara, até nos piores pecados, de dirigir cada dia uma oração — ocupando durante todo esse tempo o seu lugar no ofício, de forma que ninguém percebeu sua ausência.

Um cavaleiro, em troca da fortuna, prometera ao demônio entregar-lhe sua mulher.

Enquanto ele a conduzia, ela entrou por um momento numa capela da Virgem, e é então a Virgem que saiu da capela em seu lugar e puniu o demônio.

Um outro cavaleiro, indo ao torneio, esqueceu-se do tempo e ficou rezando a Nossa Senhora numa Igreja.